Petrobrás aumenta novamente o preço do diesel


(Tomaz Silva/Agência Brasil)

A Petrobras anunciou nesta segunda-feira (9) um reajuste de 8,87% no preço do diesel para as distribuidoras. De acordo com a empresa, o preço do litro do combustível no atacado passará de R$ 4,51 para R$ 4,91, um aumento de R$ 0,40 a partir desta terça-feira (10). Com o novo aumento, chega a 164,07% o total de reajuste do diesel durante o governo Bolsonaro.

O último aumento feito pela estatal foi em 11 de março. Na ocasião, o diesel já havia subido 24,9%.

Em nota divulgada à imprensa, a empresa alega que "os estoques globais estão reduzidos" e que "esse desequilíbrio resultou na elevação dos preços de diesel no mundo inteiro, com a valorização deste combustível muito acima da valorização do petróleo. A diferença entre o preço do diesel e o preço do petróleo nunca esteve tão alta”.

O novo aumento ocorre uma semana após a Petrobras anunciar a distribuição de R$ 48,5 bilhões em dividendos a acionistas privados e reportar super-lucro líquido de R$ 44,56 bilhões referentes ao primeiro trimestre. Isto, depois da mega distribuição de R$ 101 bilhões relativa ao exercício de 2021.

O presidente Jair Bolsonaro (PL) criticou o lucro e pediu à Petrobras para que reduza sua margem de lucro, o que considerou como um "absurdo" e "um estupro". Bolsonaro, no entanto, omitiu a informação de que o governo é o principal acionista da companhia e tem o poder de mudar a atual política de preços - criada após o golpe de 2016 por Michel Temer e mantida por ele.

O super-lucro no trimestre de R$ 44,56 bilhões, 38 vezes maior que o do mesmo período do ano anterior, traz a marca da inflação recorde dos combustíveis e da transferência de riqueza promovida pela política de paridade internacional de preços (PPI) do governo.

De acordo com levantamento feito pela Federação Única dos Petroleiros (FUP), no governo Bolsonaro, de janeiro de 2019 a 1° de maio de 2022, a gasolina, nas refinarias, subiu 165,8%, o diesel 155,2% (agora chega a 164,07%) e o GLP 118,4%, levando o preço médio do botijão de gás de 13 quilos para acima de R$ 120,00. Isso porque os combustíveis são reajustados com base na PPI, que segue as cotações internacionais do petróleo, variação do dólar e custos de importação de derivados, sem levar em conta que 94% da produção de petróleo é nacional – ou seja, com custos em real.

300x250px.gif
728x90px.gif