Petrobrás recua e paga mais caro para receber gás da Bolívia


(Foto: Divulgação/YPFB)

A Petrobrás decidiu renegociar as condições de contrato com a boliviana Yacimientos Petrolíferos Fiscales Bolivianos (YPFB) e, mesmo agora pagando mais caro pelo metro cúbico de gás, o Brasil passará a receber 20 milhões de metros cúbicos do combustível por dia. As informações são do Globo.

Desde maio, a empresa boliviana cortou o fornecimento de gás para a Petrobrás em cerca de 30%, e neste período, optou por vender o combustível para a Argentina a um preço maior por causa do aumento da demanda gerada pelo inverno, o que gerou críticas por parte da petrolífera e do governo brasileiros.

Em comunicado, a estatal brasileira disse que celebrou novo aditivo com a YPFB para restabelecer o fornecimento. O aditivo prevê a manutenção do volume contratado "com flexibilização de entrega e recebimento de acordo com a sazonalidade e a disponibilidade da oferta".

Segundo Rivaldo Moreira Neto, economista e sócio da Gas Energy, o acordo com La Paz é essencial, pois o país vizinho ainda é relevante no fornecimento de gás.

"O gás da Bolívia é importante, pois a nova rota 3 de gasoduto do pré-sal está atrasada e só deve entrar em operação no ano que vem. Além disso, o preço do GNL é bem maior que o boliviano", apontou Moreira Neto citado pela mídia.

Ainda de acordo com o economista, com as negociações, a Petrobrás teve de ceder e pagar mais caro pelo gás.

Dados da empresa brasileira apontam que o gás oriundo da Bolívia responde por cerca de 30% da oferta de gás no Brasil, ao lado da importação de GNL e do que é produzido nos campos pela estatal e seus parceiros.

300x250_QuatroRodas.gif
728x90_PorqueArCondicionado.gif