top of page

PF faz buscas contra advogado e militares ligados a Bolsonaro


O ex-ajudante de ordens de Bolsonaro, tenente-coronel Mauro Barbosa Cid, e seu pai, general Mauro César Cid, são alvos de operação da Polícia Federal (PF) por supostos crimes de peculato e lavagem de dinheiro envolvendo a venda de relógios de luxo e obras de arte desviados para o acervo privado do ex-presidente e vendidos nos EUA.


As equipes da PF realizaram buscas nesta sexta-feira (11), na operação batizada de "Lucas 12:2" - em alusão ao versículo bíblico que diz que "não há nada escondido que não venha a ser descoberto, ou oculto que não venha a ser conhecido" - sobre suposta tentativa de venda ilegal dos presentes dados ao governo sob a gestão Bolsonaro por delegações estrangeiras.


A Polícia Federal acredita que o grupo de militares próximos ao ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) pode ter vendido ilegalmente mais de R$ 1 milhão em presentes oficiais dados por delegações estrangeiras ao governo federal.


A PF tem pelo menos quatro alvos conhecidos: o ex-ajudante de ordens de Jair Bolsonaro, tenente-coronel do Exército, Mauro Barbosa Cid; o pai dele, o general do Exército, Mauro César Lourena Cid; o ex-ajudante de ordens de Bolsonaro e tenente do Exército, Osmar Crivelatti; e o advogado Frederick Wassef, que já defendeu Bolsonaro e familiares em diversos processos na Justiça.


Segundo as investigações, o general - pai de Mauro Cid e colega de Jair Bolsonaro na Academia Militar das Agulhas Negras (AMAN) - era o responsável por negociar as joias e os demais bens nos EUA, recebendo, inclusive, os valores em sua conta bancária. Ainda de acordo com a apuração do portal de notícias, o objetivo da venda do patrimônio público era a "incorporação ao patrimônio pessoal de Bolsonaro".


Os mandados foram autorizados pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Alexandre de Moraes, no inquérito que investiga as ações de uma suposta milícia digital que atua contra a democracia.


“Determino a realização de busca e apreensão de computadores, tablets, mídias externa de armazenamento (pen drive, CDs, DVDs, etc.), máquinas fotográficas, quaisquer outros meios eletrônicos de armazenamento de dados, bem como documentos físicos, fotografias e arquivos relacionados à prática delitiva que forem encontrados durante a diligência, sobretudo objetos que tenham relação com os fatos investigados.”


Na decisão, Moraes determina ainda que o Gabinete Adjunto de Documentação Histórica (GADH) forneça, no prazo de cinco dias, todos os documentos que instruíram os processos de destinação de bens ao acervo privado de Bolsonaro.


Nas redes sociais, o ministro da Justiça e Segurança Pública, Flávio Dino, se manifestou sobre o caso.


"Há muitos estudos que mostram que compra e venda de joias é um caminho clássico de corrupção e lavagem de dinheiro. Muitos veem como um crime 'seguro', que ficará escondido para sempre. Por isso, é essencial sempre investigar o assunto, quando há indícios de ilegalidades", escreveu Dino.

Comments


Divulgação venda livro darcy.png
Chamada Sons da Rússia5.jpg
bottom of page