Planta pode recuperar locais poluídos por mineradoras

Um estudo realizado pela ESALQ-USP (Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz), com apoio da FAPESP (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo) mostra a eficácia de uma planta aquática para recuperar ambientes afetados por rejeitos de minério de ferro. Os cientistas avaliaram o potencial da taboa e do hibisco em programas de fitorremediação — como são chamados os processos de recuperação ambiental que utilizam plantas como agentes de purificação.

Taboa (Typha domingensis) / Foto: Reprodução

A pesquisa concluiu que a taboa (Typha domingensis) é mais eficiente, em razão do padrão das raízes. A planta também demonstrou maior capacidade de acidificação e de acumular ferro na parte aérea. Segundo os pesquisadores, o resultado é importante para se pensar em estratégias de recuperação ambiental no futuro.


A pesquisa foi realizada no estuário do Rio Doce, no distrito de Regência, no Espírito Santo. O local, em 2015, recebeu parte dos 50 milhões de metros cúbicos de rejeitos liberados no rompimento da barragem do Fundão, em Mariana (MG) — o maior desastre ambiental registrado no Brasil.


*Com informações da Agência FAPESP.


Toda Palavra_Banner_300x250_Celular.gif
1/3
NIT_728x90-03.gif
NIT_300x250-01.jpg