top of page
banner niteroi carnaval 780x90px 16 02 24.jpg

Polícia acha corpos que seriam de traficantes suspeitos de matar médicos


Quiosque onde os médicos foram assassinados na madrugada de quinta-feira (Foto: Tomaz Silva/Agência Brasil)

A principal linha de investigação da Polícia Civil do Rio de Janeiro, para o caso da execução de três médicos que chocou o país, é a de que o crime teria acontecido por engano. O triplo homicídio teria ocorrido pelo fato de uma das vítimas, o médico Perseu Ribeiro Almeida, ter sido confundido com o miliciano Taillon de Alcântara Pereira Barbosa, filho de Dalmir Pereira Barbosa, um dos principais chefes do grupo paramilitar de Rio das Pedras, na Zona Oeste da cidade.


Taillon é suspeito de ter relação com o assassinato de Luís Paulo Aragão Furtado, traficante do Comando Vermelho conhecido como Vin Diesel, no dia 16 de setembro.


Furtado seria integrante do grupo de Philip Motta Pereira, o Lesk, que tomou o controle da Gardênia Azul para o Comando Vermelho no início do ano. Ambos, que eram da milícia dessa região, migraram para a facção criminosa.


Antes de se unir ao Comando Vermelho, Lesk liderava o grupo chamado de "Equipe Sombra", suspeito de ter sido responsável pelo atentado à vida dos três médicos.


Corpos dos suspeitos foram encontrados

A polícia do Rio de Janeiro encontrou na madrugada desta sexta-feira (6) os corpos dos suspeitos de terem cometido os assassinatos no quiosque da Barra da Tijuca.


Três estavam dentro de um carro na rua Abrahão Jabour, próximo ao Riocentro, e outro estaria em um veículo na avenida Tenente-Coronel Muniz de Aragão, na Gardênia Azul.


O erro dos integrantes da Equipe Sombra teria gerado um mal-estar na cúpula do Comando Vermelho por se tratar da morte de três inocentes, um deles irmão de uma deputada federal, Sâmia Bomfim (Psol-SP).


A cúpula, que realiza chamadas de videoconferência de dentro do presídio Bangu 3, segundo a GloboNews, teria ordenado o julgamento dos assassinos por um "tribunal do crime".


Os suspeitos teriam sido levados ao Complexo da Penha, onde teriam sido julgados, condenados, torturados e mortos a tiros.


Além de Lesk, outro corpo encontrado pelos policiais já foi identificado como sendo Ryan Nunes de Almeida, o "Ryan".


Os outros dois mortos ainda não foram identificados, mas a polícia já confirmou não se tratar dos outros dois suspeitos de terem participado do atentado, Bruno Pinto Matias, o Preto Fosco, e Juan Breno Malta Ramos Rodrigues, o BMW, que teriam conseguido fugir do tribunal.


Criminosos monitorados pela polícia

A Equipe Sombra já estava sob investigação de uma força-tarefa da Polícia Civil por ser suspeita de cometer outros assassinatos na Zona Oeste do Rio de Janeiro.


A região atualmente vive uma guerra entre facções criminosas, que lutam pelo controle do local.


O carro utilizado pelos criminosos, um Fiat Pulse Branco, já era conhecido dos investigadores por ter sido utilizado em outros atentados.

Chamada Sons da Rússia5.jpg
banner niteroi carnaval 300x250px 16 02 24.jpg
Divulgação venda livro darcy.png
bottom of page