Por que o Brasil está no fim da fila por vacinas


Presidente Jair Bolsonaro e o ministro da Saúde, general Eduardo Pazuello (Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)

Houve falha do governo federal brasileiro na negociação com a COVAX, que anunciou apenas 10,6 milhões de doses para o país? Era possível garantir mais vacinas à população? Para entender essas questões, a Sputnik Brasil conversou com especialistas no assunto.

O novo cronograma da COVAX Facility para a distribuição mundial de vacinas, divulgado na quarta-feira (3), prevê que o Brasil receba apenas 10,6 milhões de doses do imunizante da Oxford/AstraZeneca. A quantidade é menor que a de cinco países emergentes: Bangladesh (12,79 milhões), Indonésia (13,71 milhões), Nigéria (16 milhões), Paquistão (17,16 milhões) e Índia (97,16 milhões).

O acordo do Brasil com o consórcio internacional é de 42,5 milhões de doses até o fim de 2021. Porém, por enquanto, menos de um quarto desse total está reservado ao país: são exatamente 10.672.800.

Quando aderiu à aliança, em setembro de 2020, o Brasil optou por contratar uma quantidade de vacinas que beneficiaria somente 10% da população, proporção mínima exigida pela inciativa.

A população brasileira é de mais de 212 milhões de habitantes, segundo o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), mas vale lembrar que a vacina da Oxford requer a aplicação de duas doses por pessoa para garantir a imunização.

Para o professor Flávio da Fonseca, do departamento de Microbiologia do Instituto de Ciências Biológicas (ICB) da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), o governo brasileiro deu pouca importância para a iniciativa promovida pela Organização Mundial de Saúde (OMS) e, por isso, o país ficou com uma cota menor.

"O que acontece é que o Brasil inicialmente não se juntou à iniciativa COVAX. Ele acabou sendo pressionado e se juntou tardiamente, exatamente porque o governo brasileiro não deu importância para essa iniciativa, optando pelo mínimo possível de solicitações de vacina e quase desdenhando da iniciativa", afirmou o professor, que é integrante do Comitê Permanente de Enfrentamento ao Novo Coronavírus, da UFMG.

Presidente da Sociedade Brasileira de Virologia (SBV), Fonseca avalia que não houve um erro de cálculo, e sim que o governo "deliberadamente" não considerou valorizar a inciativa. O pesquisador diz que o Brasil deveria ter solicitado um número de doses mais condizente com a realidade nacional para garantir a queda da curva de contágio da Covid-19.

"Estamos hoje com um número que é um fiasco. Precisamos de um quantitativo muito maior para atingir a tão sonhada imunidade coletiva", criticou o professor.

Para atingir a imunidade coletiva, a OMS já informou que um país precisa ter de 60% a 70% da população vacinada.

"Um equívoco total. O governo brasileiro foi extremamente incompetente na questão das negociações vacinais, desdenhando da vacina, da doença e dos países fabricantes. Os outros países da iniciativa estão com mais doses porque solicitaram mais. Então, a responsabilidade é total do governo brasileiro", afirmou.

Adiamento de doses

Outro ponto negativo para o Brasil no anúncio feito pelo consórcio na quarta-feira (3) é que uma parte do lote de 10,6 milhões de doses da Oxford/AstraZeneca foi adiada para o segundo semestre de 2021.

A COVAX indicou a chegada de 1,6 milhão de doses no primeiro trimestre e de mais seis milhões nos três meses seguintes, entre abril e junho. As outras três milhões de doses restantes da cota brasileira deverão desembarcar só depois do meio do ano.

No último sábado (30), o Ministério da Saúde, comandado por Eduardo Pazuello, anunciou que esperava receber entre dez e 14 milhões de doses do imunizante nesta primeira leva, mas não informou os prazos.

Até o momento, o país possui menos de 3 milhões de pessoas vacinadas.

O médico sanitarista Reinaldo Guimarães, vice-presidente da Associação Brasileira de Saúde Coletiva (Abrasco), pondera que há um desequilíbrio mundial entre a oferta e a demanda de vacinas. O especialista ressalta que o atraso na distribuição de doses está ocorrendo em escala global.

"Temos visto vários países reclamando que não estão recebendo doses já contratadas e pagas. Então, é natural que, havendo esse desequilíbrio geral na oferta de vacinas no mundo, haja essa frustração", diz Guimarães.


Fonte: Agência Sputnik

 Conheça a nova Scooter Elétrica

Não precisa de CNH, sem placa e sem IPVA

Leia também:

Editor Responsável: Luiz Augusto Erthal.

Redação e Comercial: Rua Santa Clara, 32, Ponta d'Areia, Niterói, RJ

CEP 24040-050 | (21) 2618-2972 | jornaltodapalavra@gmail.com

Os conceitos emitidos nas matérias assinadas são de inteira responsabilidade de seus autores e não refletem necessariamente a opinião do jornal. As colaborações, eventuais ou regulares, são feitas em caráter voluntário e aceitas pelo jornal sem qualquer compromisso trabalhista. © 2016 Mídia Express Comunicação.

A equipe

Editor Executivo: Luiz Augusto Erthal. Editor Rio: Vanderlei Borges. Editor Niterói: José Messias Xavier. Editores Assistentes: Apio Gomes e Osvaldo Maneschy. Editor de Arte: Augusto Erthal. Financeiro: Márcia Queiroz Erthal. Circulação, Divulgação e logística: Ernesto Guadalupe.

Uma publicação de Mídia Express 
Comunicação e Comércio Ltda.
Rua Santa Clara, 32, Ponta d’Areia, Niterói, Est. do Rio,

Cep 24040-050. 
Tel.: (21) 2618-297

jornaltodapalavra@gmail.com

  • contact_email_red-128
  • Facebook - White Circle
  • Twitter - White Circle