Povo volta às ruas contra o genocídio: 'Fora, Bolsonaro!'


Milhares de manifestantes no Centro do Rio de Janeiro (Reprodução)

No dia em que o Brasil chegou a meio milhão de mortos pela covid-19, milhares de manifestantes voltaram às ruas para protestar contra o negacionismo e a miséria e para pedir o impeachment do presidente Jair Bolsonaro, auxílio emergencial de R$ 600 e aceleração da vacinação.

Além das reivindicações sobre a pandemia, houve protestos contra as privatizações pelo governo federal de empresas lucrativas e estratégicas para o país, como a Eletrobras, refinarias, gasodutos e distribuidoras da Petrobras, contra o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, e a invasão de terras e repressão sobre indígenas.

A avaliação dos organizadores, entre eles a Central Única dos Trabalhadores (CUT), a Central de Movimentos Populares (CMP), partidos progressistas, entidades estudantis, movimentos sociais e centrais sindicais, é de que os atos "Fora, Bolsonaro" foram confirmados em pelo menos 21 capitais e mais de 400 cidades no Brasil e exterior, devendo ter alcançado ao longo do dia aproximadamente 500 atos pelas 500 mil vidas perdidas durante a pandemia.

Como na manifestação de 29 de maio, os protestos se espalharam pelas capitais como Rio de Janeiro, São Paulo, Salvador, Manaus, Recife, São Luís, Goiânia e Cuiabá. No exterior, as mobilizações ocorreram em dezenas de países, entre eles, Alemanha, Portugal, Áustria, Japão, Estados Unidos e Canadá.

Um dos motes das manifestações, segundo os organizadores, foi a garantia de uso de máscaras e o respeito ao distanciamento para reforçar a importância e necessidade de combater a pandemia em conformidade com a ciência.

Confira algumas manifestações, em fotos e vídeos pelo Brasil, divulgadas pela Mídia Ninja e CUT.









Toda Palavra_Banner_300x250_Celular.gif
1/3
NIT_728x90-03.gif
NIT_300x250-01.jpg