PSB oficializa 'companheiro' Alckmin como vice de Lula


Carlos Siqueira, Geraldo Alckmin, Lula e Gleisi Hoffmann (Foto: Ricardo Stuckert)

Reunido com as lideranças do Partido dos Trabalhadores (PT), nesta sexta-feira (8), o Partido Socialista Brasileiro (PSB) oficializou a indicação do ex-governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, como vice-presidente na chapa de Lula (PT) nas eleições de 2022.

Aprovada pela executiva do PSB, a decisão sobre a indicação de Alckmin foi anunciada durante um evento em um hotel da Zona Sul de São Paulo, mas já vinha sendo divulgada pelas legendas desde o ano passado.

"Vamos estabelecer um critério de relação entre mim e o Alckmin", disse Lula, e prosseguiu: "Daqui para frente você [Alckmin] não pode ser tratado como ex-governador e eu não posso ser tratado como ex-presidente, você me chama de companheiro Lula e eu te chamo de companheiro Alckmin. Isso significa a gente tentar esclarecer a opinião pública de uma coisa que muita gente não percebia e agora está percebendo. Feliz era este Brasil quando a polarização se dava entre PSDB e PT, entre Lula e Serra, Alckmin, entre Suplicy e Fernando Henrique Cardoso, entre Dilma e Serra. Era uma política civilizada. Essa chapa [Lula-Alckmin], se for formalizada, não é só para ganhar as eleições. Talvez ganhar as eleições seja mais fácil do que a tarefa que nós teremos para recuperar esse país. Vamos conversar com toda a sociedade brasileira, com grandes, médios e pequenos empresários e vamos conversar muito com o povo trabalhador. Vamos tratar com o mesmo respeito o catador de papel e o empresário. Vamos tratar com o mesmo respeito o trabalhador sem-terra e um grande fazendeiro. Queremos governar esse Brasil para todos, e nosso coração estará voltado para as pessoas que mais necessitam".

O evento também reuniu figuras como o presidente do PSB, Carlos Siqueira, a presidente do PT, Gleisi Hoffmann, o ex-prefeito de São Paulo, Fernando Haddad (PT), e o ex-governador de São Paulo, Márcio França (PSB).

Alckmin e Lula apareceram juntos pela primeira vez no final de 2021, em jantar organizado por grupo de advogados em São Paulo e desde então os comentários sobre uma possível aliança para derrotar Jair Bolsonaro (PL) no pleito deste ano, só aumentaram.

'Tempo de mudança'

Depois de uma longa articulação entre os dois partidos, Alckmin se filiou ao PSB no dia 23 de março para poder compor a chapa.

O ex-governador de São Paulo defendeu o apoio do partido à candidatura de Lula e disse que, hoje, "[Lula é] aquele que melhor reflete o sentimento de esperança do povo brasileiro".

Alckmin, que é fundador do Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB), deixou seus 33 anos de trajetória na legenda afirmando que era "tempo de mudança".

Médico, 69 anos, o ex-governador tem 50 anos de vida pública e já disputou a Presidência da República duas vezes, uma em 2006, perdendo para o ex-presidente Lula no segundo turno, e outra em 2018, ficando em quarto lugar, atrás de Jair Bolsonaro, Fernando Haddad e Ciro Gomes.


Com a Sputnik

Ganhe_Ate_300x250px.gif
1/3
NIT_728x90-03.gif
NIT_300x250-01.jpg
Aumentou_728x90px.gif