top of page
banner niteroi carnaval 780x90px 16 02 24.jpg

Putin afirma que peso do Brasil na arena global deve crescer

Nesta quinta-feira (5/10), o presidente russo Vladimir Putin fez discurso durante a sessão plenária da 20ª edição do Clube Valdai que leva como lema "Multipolaridade justa: como garantir segurança e desenvolvimento de todos". Putin tradicionalmente se reúne com os participantes do Clube Valdai desde a sua criação, em setembro de 2004. Durante todo o discurso, Putin falou sobre a situação de turbulência internacional, a importância de respeitar à diversidade e à soberania de todos os países, além de ter citado a importância do Brasil, da América Latina e de todo o Sul Global.

Foto: Grigory Sysoyev / Sputnik

"Estamos, de fato, perante a tarefa de construir um novo mundo. Nos estágios decisivos, a responsabilidade dos intelectuais é extremamente grande", disse Putin aos membros do Clube Valdai.


"Problemas globais exigem soluções coletivas. No início do século XXI, todos esperavam que as lições do custoso confronto militar-ideológico já tivessem sido aprendidas, mas descobriu-se que isso não foi assim, apontou o líder russo. Ele acrescentou que os problemas globais da humanidade exigem soluções coletivas, e o egoísmo e a presunção só levarão a um beco sem saída. As contrapartes ocidentais perderam seu senso de realidade, quebraram todas as regras", afirmou Putin.


"Infelizmente, temos que constatar que nossas contrapartes ocidentais perderam seu senso de realidade, cruzaram todos os limites possíveis. Isso é um erro", disse o líder russo.


Os EUA e os seus aliados entraram em um curso de hegemonia – militar, política, econômica, cultural e até moral, disse ele. Como observou o chefe de Estado, alguns entenderam mal a prontidão da Rússia para uma "interação construtiva".


"O problema da atitude do Ocidente em relação à Rússia reside em seus interesses geopolíticos, na atitude de arrogância para com os outros e autoconfiança", observou Putin.


Ele especificou que certa parte das elites ocidentais sempre precisa de um inimigo, a luta com o qual pode ser usada para explicar a necessidade de ações de força e expansões, mas ele também é necessário para manter o controle interno no sistema de hegemonia.


"A Rússia não começou a chamada "guerra" na Ucrânia", sublinhou o líder russo. "Pelo contrário, está tentando acabar com ela".


Ele ainda ressaltou que a Rússia não organizou um golpe de Estado em Kiev em 2014 – sangrento e inconstitucional.


Questão na Ucrânia


"A crise ucraniana não é um conflito territorial, quero enfatizar isso. A Rússia é o maior país no mundo, com maior dimensão territorial. Não temos interesse em reivindicar nenhum território adicional. Ainda temos que continuar a desenvolver a Sibéria, a Sibéria Oriental e o Extremo Oriente. Este não é um conflito territorial", disse Putin.


Falando sobre o apoio do Ocidente a Kiev, o presidente russo disse que a Rússia está esperando o surgimento de brotos do senso comum. De acordo com ele, nem sequer se trata de estabelecer um equilíbrio geopolítico regional, a questão é muito mais ampla e fundamental.


"Estamos falando sobre os princípios nos quais a nova ordem mundial será baseada."


Putin destacou que a Rússia é o tema favorito de vários políticos do Ocidente, estamos "certamente acostumados a isso, historicamente acostumados".


"No Ocidente esqueceram o que são o autocontrole razoável, o compromisso, querem impor seus interesses a qualquer custo, e veremos o que virá disso", disse ele.


Segundo o líder russo, o Ocidente impõe estruturas geopolíticas artificiais ao mundo e cria um "formato de blocos fechados". Tal abordagem, ressaltou, é "uma restrição dos diretos e liberdades dos Estados".


"Na Europa já há décadas é realizada a linha persistente da expansão da OTAN, bem como na região da Ásia-Pacífico e no Sul da Ásia", pontuou.


De acordo com o presidente, nessas regiões estão tentando quebrar a arquitetura aberta e inclusiva da cooperação e impor uma abordagem de blocos, que é "uma tentativa os colocar em uma certa jaula de obrigações".


Ele enfatizou que a época do domínio colonial acabou há muito tempo e os países ocidentais precisam "enxugar os olhos". Conforme o presidente, as elites ocidentais ainda possuem um comportamento irresponsável e guiado por interesses de curto prazo.


"É a hora de se livrarem desse pensamento da época do domínio colonial. Gostaria mesmo de dizer: enxuguem os olhos. Esta era acabou há muito tempo e nunca mais voltará."


Vladimir Putin enfatiza que a Rússia sempre retirou da história lições para o futuro, fortalecendo sua unidade e integridade nacional. O presidente russo também disse que "ninguém deve trair sua civilização, isso é antinatural, repugnante e leva ao caos".


De acordo Putin, a civilização não impõe nada a ninguém, mas também não permite que nada lhe seja imposto, e se todos aderirem precisamente a essa regra, isso garantiria uma coexistência harmoniosa e interação criativa entre todos os participantes nas relações internacionais.


"A civilização para a Rússia é um fenômeno multifacetado, e nenhuma delas é pior ou melhor do que as outras", destacou Vladimir Putin.


Poderio nuclear


Respondendo a uma pergunta sobre a possibilidade de reduzir o chamado nível nuclear na doutrina da Rússia, o mandatário ressaltou que não vê a necessidade disso.


Segundo ele, hoje não existe tal situação na qual, hipoteticamente, algo possa ameaçar a existência do Estado russo:


"Não acho que alguém que tenha seu juízo são e memória clara pense em usar armas nucleares contra a Rússia".


Mesmo assim, o presidente russo informou que a Rússia realizou com sucesso o último teste do míssil de cruzeiro Burevestnik, de grande alcance e com propulsor nuclear.


Ainda sobre a questão nuclear, o presidente ressaltou que há apenas duas razões para um eventual uso dessa força: um ataque contra a Federação da Rússia ou uma ameaça à existência russa.


"Deixe-me lembrar que na doutrina militar russa existem duas razões para o possível uso de armas nucleares pela Rússia. A primeira é o uso de armas nucleares contra nós, isto é, em resposta, num contra-ataque", contou


É necessário conseguir um consenso de mudanças no mundo para que elas não destruam o regime legal existente, apontou Putin.


Influência do Brasil e América Latina


"O Brasil na América Latina – a população é enorme, o crescimento da influência é colossal. A África do Sul – como não levar em conta sua influência no mundo? Assim, também o seu peso na tomada de decisões-chave deve aumentar, mas é claro que isso deve ser feito de tal forma que se chegue a um consenso sobre as mudanças, que não destrua a existente […] que não destrua o regime legal existente. É um processo complexo, mas na minha opinião é nessa direção e nesse caminho que precisamos seguir."


Enfatizando, o líder russo afirmou que a Rússia está ciente de onde irá, e pretende viver em um mundo aberto e interconectado, no qual ninguém jamais tentará erguer barreiras artificiais à comunicação das pessoas.


"A Rússia quer que a diversidade do mundo não seja apenas preservada, mas que seja a base do desenvolvimento universal, enquanto a imposição a qualquer país ou povo de como viver deve ser proibido".


Putin destacou que a Rússia defende a máxima representatividade, os países não têm o direito de governar o mundo pelos outros e em nome dos outros, bem como tomar decisões por outros Estados.


Conforme o presidente, caso o Japão tome iniciativa para normalizar as relações com a Rússia, o país "está pronto para a cooperação". Putin também lembrou que espera uma condenação pelas organizações internacionais da homenagem ao veterano nazista de 98 anos no parlamento do Canadá.


"Espero que [...] as organizações públicas, aquelas que se preocupam com o futuro da humanidade, formulem a sua posição sobre esta questão, de forma clara, inequívoca e com condenação do que aconteceu", afirma.


Putin observou que a Rússia sempre vai tratar o Canadá com respeito, especialmente por conta do seu povo. "De forma alguma quero ofender os sentimentos do povo canadense. Tratamos o Canadá, não importa o que aconteça, com respeito, especialmente pelas pessoas", enfatiza.


O presidente russo frisou também que o país está cada vez mais distante do mercado "moribundo" (prestes a morrer) para se estabelecer em mercados em crescimento de outras partes do mundo, como a Ásia.


Nord Stream


Com relação ao atentado contra os gasodutos Nord Stream, no Mar Báltico, Putin falou sobre as apurações conduzidas pelos países. Para o presidente, é improvável que algum resultado apareça e disse que as explosões foram atos de terrorismo internacional.


"Não estamos autorizados a participar na investigação, apesar das nossas propostas e repetidos apelos para o fazer. Não há resultados, não há investigação e, aparentemente, não haverá nenhuma", alegou.


Construídos para transportar o gás russo para a Alemanha, os gasodutos foram alvo de um atentado em setembro de 2022. Na época, a operadora da estrutura enfatizou que os danos não tinham precedentes e era impossível estimar o prazo para reparação.


"A primeira coisa que gostaria de salientar é que muito antes das explosões, o presidente dos EUA [Joe Biden] disse em público que os Estados Unidos fariam tudo para impedir o fornecimento de produtos energéticos russos à Europa através desses oleodutos", disse.


Relações com a China


Para Putin, a cooperação entre Rússia e China é crucial para estabilizar a situação internacional. "Obviamente, é um fator muito importante de estabilização da vida internacional. Para que esta influência cresça, em primeiro lugar, precisamos de prestar atenção à manutenção do ritmo da nossa economia em crescimento", alega.


O discurso do presidente russo também mencionou a falta de viagens ao exterior, como as cúpulas do BRICS, na África do Sul, e do G20, na Índia. Conforme Putin, isso acontece para não "expor seus amigos".


"Defendemos os nossos direitos e, tenho certeza, iremos garanti-los. Este é o primeiro ponto. Em segundo lugar, por que deveria eu criar problemas para nossos amigos durante esses eventos? [...] Se eu chegar, os ataques políticos começarão ali, o que significa que o espetáculo é político. Tudo terá como objetivo perturbar o evento”, pontuou.


Sobre a última reunião do G20, Putin elogiou a Índia e o primeiro-ministro Narendra Modi por despolitizar decisões tomadas durante a cúpula e também equilibrar interesses dos países membros.


"A politização do G20 é uma receita para a sua autodestruição, mas a liderança indiana conseguiu evitá-la, o que é definitivamente um sucesso", elogiou.


O evento


A vigésima reunião do Clube Valdai de Discussões Internacionais ocorre na cidade russa de Sochi de 2 a 5 de outubro de 2023. Segundo organizadores do evento, neste ano a reunião conta com a participação de cerca de 140 especialistas, políticos e diplomatas de 42 países da Eurásia, África e Américas.


Fonte: Sputnik

Chamada Sons da Rússia5.jpg
banner niteroi carnaval 300x250px 16 02 24.jpg
Divulgação venda livro darcy.png
bottom of page