Queiroz confirma rachadinha no gabinete de Flávio


O ex-assessor dos Bolsonaros, Fabrício Queiroz, e o senador Flávio Bolsonaro (Republicanos) (Foto: Reprodução de Facebook)

O senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) e seu ex-assessor Fabrício Queiroz foram denunciados ao Órgão Especial do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro na investigação sobre a chamada rachadinha da Alerj no começo do mês.

O policial aposentado Fabrício Queiroz, ex-assessor dos Bolsonaros, confirmou, por escrito, aos promotores do Ministério Público do Rio de Janeiro (MP-RJ) que havia um esquema de "rachadinha" no gabinete de Flávio na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj). Queiroz, no entanto, resolveu assumir sozinho a prática do crime e 'fantasiou' o depoimento, segundo os promotores, ao afirmar que o filho 01 do presidente Jair Bolsonaro não tem envolvimento nos crimes.

A declaração de Queiroz consta em uma petição anexada ao processo que está sob tramitação no Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJ-RJ). No documento, Queiroz "admitiu que havia um acordo pelo qual os assessores por ele indicados para ocupar cargos no Gabinete haveriam de lhe entregar parte de seus vencimentos", todavia, "tal acordo teria sido realizado sem consulta ou anuência do então deputado estadual nem de seu chefe de gabinete, valendo-se da confiança e da autonomia que possuía", lê-se na declaração a que a CNN Brasil teve acesso.

Para os promotores, as explicações de Queiroz são fantasiosas, uma vez que não coincidem com a análise da evolução de patrimônio de Flávio Bolsonaro e da mulher, Fernanda Antunes Bolsonaro, como a compra de dezenas de imóveis, inclusive um apartamento de luxo em frente à praia da Barra da Tijuca, uma das áreas mais valorizadas do Rio de Janeiro, com valor declarado na compra de R$ 2,55 milhões.

1/3
300x250px.gif