Quiosque Moïse é inaugurado no Parque Madureira


(Reprodução)

A inauguração do quiosque Moïse no Parque Madureira, na Zona Norte do Rio de Janeiro, foi marcada por dança, por música e também por muita dor e emoção. A cerimônia, que ocorreu na tarde desta quinta-feira (30) reuniu a família do jovem, políticos e representantes de organizações da sociedade civil. Quem esteve no local pode provar parte do cardápio que será servido.

O jovem congolês Moïse Kabagambe foi brutalmente espancado até a morte em um quiosque na Barra da Tijuca no dia 24 de janeiro deste ano. O espancamento de Moïse foi registrado pelas câmeras de segurança do quiosque. “Essa situação é muito dura, não pode acontecer com outra mãe”, diz a mãe de Moïse Kabagambe, Ivana Lay. “Esse lugar aqui vai ficar em memória a Moise. Se a gente tiver saudade dele, a gente vai ficar aqui para extravasar”.

O município do Rio havia oferecido à família de Moïse, inicialmente, a concessão do quiosque Tropicália, onde o jovem foi morto, mas os familiares do rapaz de 24 anos não aceitaram, alegando razões de segurança. Em março, a família aceitou, no entanto, administrar o quiosque no Parque Madureira. A família conta que escolheu o local pois era onde Moise gostava de passar o tempo livre.

A data de inauguração simboliza o Dia da Independência da República Democrática do Congo, completando os seus 62 anos. O projeto do quiosque foi realizado pela Prefeitura do Rio e pela concessionária Orla Rio como uma oportunidade de negócio para a família empreender e disseminar a cultura do Congo aos cariocas e turistas.

A família escreveu uma carta, que foi lida na cerimônia, na qual lembrou de Moise como um “menino que arrancava sorrisos ao seu redor” e que era amado por todos, cujo sonho era “ser chef de cozinha e ter um restaurante no Rio de Janeiro, cidade que tanto amava”.

“Hoje faz exatamente 5 meses e 6 dias que nossos corações sangraram”, diz o texto. “Hoje acreditamos que a história de Moise teria caído no esquecimento se não fosse nossa luta junto a todo mundo que nos apoiou. Agradecemos a todas as pessoas que se uniram para nos auxiliam em busca de justiça para nosso filho para que se avance o julgamento de seus algozes. Gritemos juntos não ao racismo e não à xenofobia”.

Segundo o prefeito Eduardo Paes, o local torna-se também um memorial em homenagem ao jovem. “É um sinal claro que a gente não vai aceitar no Rio, no Brasil, atos de xenofobia, de racismo, de preconceito e mortes tão violentas, tão sem sentido como esta do Moïse. É óbvio que a gente não vai reparar a dor da família, mas é uma forma de homenagear e lembrar permanentemente desse ato bárbaro que acabou com a vida de um homem”, disse Paes.

Localizado próximo ao portão 1 do parque, o espaço possui 154 metros quadrados (m²) de área total e capacidade para 60 lugares. De acordo com a Orla Rio, a arquitetura e cores totalmente inspiradas na cultura africana, o espaço ainda conta com um grafite exclusivo do artista Airá Ocrespo, que é conhecido por trazer em todas as suas obras o empoderamento negro. O local também conta com uma arte em azulejos com o rosto do congolês e funcionará como pólo cultural congolês, por meio da parceria com o Instituto Akhanda.

300X350px_Negra.gif
1/3
NIT_728x90-03.gif
NIT_300x250-01.jpg
728X90px (2).gif