Região Oceânica terá 60km de ciclovia até 2023

Por Ana Clara Paiva


Com o objetivo de tornar a cidade cada vez menos poluente e melhorar a mobilidade, a Prefeitura de Niterói vem investindo pesado no Projeto Região Oceânica Sustentável (PRO Sustentável), que pretende tornar a cidade mais ‘ciclável’ e integrada à natureza. Niterói, que atualmente conta com uma malha cicloviária total de 45 quilômetros, terá uma expansão de 60 quilômetros até 2023 apenas na Região Oceânica.

Projeto da ciclovia em Piratininga / Divulgação

A primeira fase das obras entregará 21,75 km de ciclovias, sendo 14 km de novas rotas e 7,75 km de restauração do sistema já existente, até o final deste ano. O destaque dessa primeira fase é a participação ativa da sociedade civil, pois, recentemente, a PMN acolheu algumas demandas dos ciclistas da região e fez algumas alterações no projeto da obra.


O projeto inicial para a ciclovia da Praia de Piratininga tinha as ciclovias integradas com as praças ao redor e após a sugestão dos moradores, elas passaram a circundar as praças no projeto e assim trará uma manutenção para a área de lazer integrada ao calçadão. E os ciclistas como Luís Araújo, integrante do coletivo Pedal Sonoro, estão vendo as obras com otimismo.

Luíz Araújo, do Pedal Sonoro / Arquivo Pessoal

"Toda infraestrutura para bicicletas é bem vinda, e o ideal é que a população participe desde a elaboração do projeto até a conclusão das obras. No caso de Piratininga, a ciclovia deverá ser a melhor e maior da cidade, colaborando para o ordenamento da orla e beneficiando milhares de pessoas. Como ocorre geralmente nestes casos, algum tempo após sua implantação, os moradores perceberão que foram os maiores beneficiados" disse ele.


Em nota, a Coordenadoria Niterói de Bicicleta afirmou que após a implantação dos trechos da orla de Piratininga as obras prosseguirão até Camboinhas e, em seguida, uma nova fase se iniciará nos bairros do Engenho do Mato, Cafubá e Jacaré.


A prefeitura de Niterói afirma que o aumento da malha cicloviária da cidade é um fator de desenvolvimento para o comércio da região.


“As pesquisas nacionais e internacionais indicam que o aumento na circulação de ciclistas está vinculado ao aumento do faturamento do comércio local visto que o ciclista tende a consumir mais nos estabelecimentos localizados em seu caminho quando comparado ao motorista”, disseram em nota.

BikeTur: ciclista escaneia o código QR / Foto: Douglas Macedo

BikeTur


Outra iniciativa da prefeitura de incentivo ao uso das bicicletas é o BikeTur, um circuito turístico realizado através de totens com sinalização digital (QR Codes). Os equipamentos foram instalados em seis pontos: Caminho Niemeyer, Praça Juscelino Kubitschek e Praça da República, no Centro, Museu de Arte Contemporânea (MAC), na Boa Viagem, Museu de Arte Popular Janete Costa, no Ingá, e no Campo de São Bento, em Icaraí.


O percurso é circular com um total de 11 quilômetros, e o ciclista pode começar por qualquer um dos seis totens. Para participar do circuito, basta o ciclista parar em algum destes pontos, apontar a câmera do celular para o QR Code localizado no totem e ele será direcionado para uma página com um áudio que o guiará por todo o percurso até o próximo totem.

300X350px_Negra.gif
1/3
NIT_728x90-03.gif
NIT_300x250-01.jpg
728X90px (2).gif