Rio amplia obrigatoriedade de passaporte da vacina


(Reprodução)

A Prefeitura publicou nesta quinta-feira (2), no Diário Oficial, decreto que amplia a obrigatoriedade da apresentação do passaporte vacinal contra a covid-19 para acesso a estabelecimentos de hospedagem e acomodação, incluindo as locações de imóveis por temporada e os serviços contratados por aplicativo. O documento também passa a ser exigido em bares, lanchonetes, restaurantes, refeitórios, serviços de alimentação, para a acomodação de clientes sentados em áreas internas; serviços de embelezamento, estética e congêneres. A partir da próxima semana, a prefeitura vai começar a aplicar multas contra quem descumprir a exigência.

Desde o dia 27 de agosto, o comprovante vacinal já é exigido em academias de ginástica, estádios e ginásios esportivos, cinemas, teatros, museus, galerias e exposições de arte, convenções, conferências, entre outros.

A lista inicial incluiu táxis, shoppings e carros de aplicativos, mas o prefeito Eduardo Paes resolveu voltar atrás e já anunciou que vai rever a obrigatoriedade do comprovante para esses locais. A mudança será publicada no Diário Oficial desta sexta-feira.

A capital fluminense imunizou até agora 77,1% da população com 12 anos ou mais, o que significa que 22,9% da população carioca podem ser afetados diretamente pelas restrições.

Sobre a realização ou não do Réveillon na cidade, o prefeito Eduardo Paes disse que a decisão será do Comitê Científico do município. A festa da virada deste ano já foi cancelada em pelo menos 16 capitais brasileiras justificada pelo avanço da variante ômicron, que chegou ao Brasil - há três casos confirmados em São Paulo - e exige cautela com aglomerações.

Já confirmaram cancelamento as seguintes 16 capitais: Salvador, São Paulo, Brasília, Fortaleza, Recife, Natal, João Pessoa, Aracaju, Belém, São Luís, Campo Grande, Cuiabá, Palmas, Porto Alegre, Florianópolis e Vitória.

300x250px.gif
728x90px.gif