Rio: taxa de ocupação acima de 90% e filas como em maio


(Reprodução)

Ao todo, 1.044 pacientes com Covid-19 estão internados nos hospitais públicos da cidade do Rio de Janeiro, dos quais, 493 estão em UTIs. A taxa de ocupação já passa de 90% e o os leitos que restam estão bloqueados para doentes já internados e que podem precisar de tratamento intensivo. Tudo isto, somado às medidas de flexibilização de isolamento social adotadas pela Prefeitura, preocupa especialistas com experiência do que ocorreu durante o pico da pandemia, em 9 de maio, quando a fila dos hospitais da capital fluminense chegou a ficar com 1.283 pessoas doentes. Muitas delas morreram nas emergências sem o atendimento adequado de uma UTI ou mesmo uma enfermaria.

O médico Graccho Alvim, diretor da Associação de Hospitais do Estado do Rio de Janeiro (Aherj), é uma das autoridades que veem com preocupação o momento atual do Rio, com 276 pacientes já na fila para internação e 123 precisam de UTI. A última vez que a fila esteve grande assim foi no dia 27 de maio.

“Esse crescimento [da taxa de ocupação dos leitos] se torna preocupante, principalmente porque a gente está em uma capacidade quase máxima. A gente está chegando num ponto de estresse grande e aí a rede começa a ficar bastante crítica”, disse o médico ao analisar a situação da rede privada, que está também acima de 90%.

O Brasil registrou 37.672 novos casos e 698 novas mortes por Covid-19 nas últimas 24 horas, segundo boletim do consórcio de imprensa.

Toda Palavra_Banner_300x250_Celular.gif
1/3
NIT_728x90-03.gif
NIT_300x250-01.jpg