Rodoviários do grupo Ingá exigem férias e cestas básicas

Rodoviários do grupo Ingá, que engloba as viações Ingá, Peixoto e Rosana, realizam assembleia na segunda-feira (7/2), pela manhã e à tarde, na sede do Sindicato dos Rodoviários de Niterói a Arraial do Cabo (Sintronac), para discutir os rumos do movimento, que pretende restabelecer o pagamento das cestas básicas e das férias, que não vem sendo cumprido há, pelo menos, três anos. No mesmo dia haverá audiência de conciliação no Ministério Público do Trabalho (MPT).

Getty Images

Os trabalhadores apresentaram às empresas e ao MPT proposta definida em assembleia, realizada em 2 de dezembro de 2021, que consiste em:


- O parcelamento do pagamento das férias vencidas em até 12 parcelas iguais e sucessivas, desde que se insira nesse parcelamento a dobra legal prevista no art. 137 da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT);


- Em caso de dispensa do empregado, ficará a empresa obrigada ao imediato pagamento dos débitos de férias no ato da rescisão do contrato de trabalho;


- Em caso de não cumprimento do acordo, fica a empresa obrigada ao pagamento de multa correspondente a 50% do valor do débito e o vencimento antecipado de todas as parcelas; e


- Restabelecimento do pagamento integral do valor estabelecido pela Convenção Coletiva de Trabalho (CCT) para a cesta básica, que é de R$ 400,00, com desconto para o empregado no equivalente a 20%.


“Os trabalhadores já deram sua cota de sacrifício durante a pandemia e as atividades econômicas foram restabelecidas. Não dá mais para a corda roer só do nosso lado”, afirma o presidente do Sintronac, Rubens dos Santos Oliveira.


As empresas do grupo Ingá empregam cerca de 480 funcionários, entre rodoviários e pessoal administrativo. As companhias são responsáveis por 24 linhas municipais e intermunicipais, que ligam as zonas Norte e Sul de Niterói; além de conexões entre Niterói, Rio de Janeiro e São Gonçalo.

Toda Palavra_Banner_300x250_Celular.gif
1/3
NIT_728x90-03.gif
NIT_300x250-01.jpg