Rodrigo repudia busca e apreensão da PF na sua casa


(Reprodução)

A Polícia Federal fez uma operação de busca e apreensão na sede da prefeitura e na residência do prefeito de Niterói, Rodrigo Neves (PDT), na manhã desta quarta-feira (16), para tentar encontrar documentos que comprovem as suspeitas de corrupção em contratos de publicidade e nas obras da Transoceânica e do túnel Charitas realizadas ao longo da sua gestão (2013-2016 e 2017-2020). Em nota, Rodrigo Neves repudiou a ação e "a utilização de aparato do Estado com a polícia para ações de perseguição política", afirmando que "nunca foi ouvido ou convidado a prestar qualquer esclarecimento sobre quaisquer assuntos". Ainda segundo a nota, o prefeito disse que "nenhum objeto de valor foi apreendido, apenas o seu celular pessoal".

De acordo com as investigações do Ministério Público Federal (MPF), que levaram à ação contra o prefeito nesta quarta, conselheiros do Tribunal de Contas do Rio de Janeiro (TCE-RJ) são suspeitos de receber de empreiteira cerca de R$ 200 mil de propina para aprovar a realização das obras da prefeitura. Citado pelo G1, os conselheiros teriam recebido repasses ilegais em 2014, em duas parcelas, e Neves teria acertado os repasses com o conselheiro Aloysio Neves. As denúncias, segundo o MPF, constam de depoimentos do publicitário Renato Pereira e do ex-presidente do tribunal Jonas Lopes de Carvalho, que conta, em sua delação homologada no Superior Tribunal de Justiça (STJ), que após o encontro, o então conselheiro Aloysio Neves confirmou que o empresário ganharia a licitação e seriam feitos repasses irregulares aos conselheiros.

Em seu depoimento, o publicitário Renato Pereira diz que houve direcionamento da licitação.

Além da nota de repúdio do prefeito, também o deputado estadual Waldeck Carneiro (PT), em sua conta em uma rede social, se disse espantado com a operação da PF e a atribui à luta política.

“Espantosa operação da PF hj na casa do pref. Rodrigo Neves e na se da prefeitura de Niterói. As contas da Transoceânica são de domínio público e foram aprovadas pela CEF. A obra causou impacto urbano e social muito positivo. Órgãos oficiais não podem ser usados na luta política!”, exclamou o deputado.


A seguir, a nota da Prefeitura de Niterói:

"Em relação a absurda ação de busca e apreensão realizada nesta manhã, o Prefeito Rodrigo Neves esclarece que nunca foi ouvido ou convidado a prestar qualquer esclarecimentos sobre quaisquer assuntos.

Nenhum objeto de valor foi apreendido, apenas o seu celular pessoal. O Prefeito não possui automóveis ou qualquer objeto de valor. Apesar de não ter informações sobre o que se trata a ação, o Prefeito esclarece que a Transoceânica e o túnel Charitas Cafubá foram concluídos há tempos, cumprindo o cronograma e o planejamento da obra e melhoraram muito a qualidade de vida dos niteroienses.

A prestação de contas detalhada foi aprovada e concluída por órgãos de acompanhamento e financiamento, como a Caixa Econômica Federal. O objetivo da ação sobre fatos ocorridos há muitos anos, sem que o Prefeito jamais tenha sido ouvido, tem o claro objetivo de desgastar a administração e o Prefeito que tem aprovação de mais de 85% da população e cujo sucessor obteve vitória retumbante no primeiro turno com 62% a 9%.

O Prefeito repudia a utilização de aparato do Estado com a polícia para ações de perseguição política. A administração de Rodrigo Neves assumiu em 2013 com dívidas superiores a 500 milhões de reais e vai entregar nos próximos dias à Prefeitura mais de 700 milhões de reais em Contas disponíveis.

Quando assumiu, o Fundo Municipal de Previdência tinha 12 milhões de reais e hoje tem mais de 740 milhões de reais. Como todos os processos da Prefeitura de Niterói, todas as informações sobre a obra estão disponíveis no Portal de Transparência.

O cronograma, planejamento e execução da obra foram feitos com custo menor do que todos os projetos similares, no Brasil e na América do Sul.

Trata-se de uma ação abusiva, típica de regimes autoritários, cujo objetivo político, há poucos dias do encerramento do seu mandato, tem o evidente interesse de desgastar a imagem de uma administração e um Prefeito amplamente aprovados pela população de Niterói e reconhecidos pela qualidade e transparência da gestão no Estado do Rio de Janeiro e no Brasil.

O Prefeito vem sofrendo ataques e perseguições, sobretudo a partir do ano de 2018, mas nada foi encontrado contra ele. O Prefeito e sua Defesa tomarão todas as medidas para identificar a origem desta perseguição política e responsabilizar os seus autores."

 Conheça a nova Scooter Elétrica

Não precisa de CNH, sem placa e sem IPVA

Leia também:

Editor Responsável: Luiz Augusto Erthal.

Redação e Comercial: Rua Santa Clara, 32, Ponta d'Areia, Niterói, RJ

CEP 24040-050 | (21) 2618-2972 | jornaltodapalavra@gmail.com

Os conceitos emitidos nas matérias assinadas são de inteira responsabilidade de seus autores e não refletem necessariamente a opinião do jornal. As colaborações, eventuais ou regulares, são feitas em caráter voluntário e aceitas pelo jornal sem qualquer compromisso trabalhista. © 2016 Mídia Express Comunicação.

A equipe

Editor Executivo: Luiz Augusto Erthal. Editor Rio: Vanderlei Borges. Editor Niterói: José Messias Xavier. Editores Assistentes: Apio Gomes e Osvaldo Maneschy. Editor de Arte: Augusto Erthal. Financeiro: Márcia Queiroz Erthal. Circulação, Divulgação e logística: Ernesto Guadalupe.

Uma publicação de Mídia Express 
Comunicação e Comércio Ltda.
Rua Santa Clara, 32, Ponta d’Areia, Niterói, Est. do Rio,

Cep 24040-050. 
Tel.: (21) 2618-297

jornaltodapalavra@gmail.com

  • contact_email_red-128
  • Facebook - White Circle
  • Twitter - White Circle