Roger Waters diz por que apresenta Biden como 'criminoso de guerra'


Roger Waters faz duras críticas aos EUA na guerra da Ucrânia e sobre Taiwan (Reprodução)

Roger Waters, cofundador e ex-líder da banda de rock Pink Floyd, explicou em entrevista à CNN que considera o atual presidente dos EUA, Joe Biden, um "criminoso de guerra" por suas ações em torno do conflito na Ucrânia.

Biden é uma das várias pessoas, junto com seu antecessor Donald Trump, a aparecer na lista de "criminosos de guerra" exibidos nas telas durante os shows de Waters como parte de sua turnê pela América do Norte com o 'show' 'This Is Not a Drill' (Isto Não é um Exercício).

Questionado pelo entrevistador Michael Smerconish por que ele qualifica o atual presidente dessa maneira, Waters respondeu: "Bem, para começar, ele está colocando lenha na fogueira na Ucrânia, o que é um grande crime. Por que os EUA não incentivam [o presidente ucraniano Vladimir] Zelensky a negociar?, eliminando a necessidade dessa horrível, guerra horrenda que está matando... não sabemos quantos ucranianos e russos."

Diante da reprovação do jornalista por "acusar erroneamente a parte que foi invadida", o rock star discorda: "Qualquer guerra ]...] O que você precisa fazer é olhar para a história e dizer: 'Bem, começou neste dia'. Pode-se dizer que começou em 2008, essa guerra se deve basicamente à ação e reação da OTAN, avançando para a fronteira russa, o que eles prometeram que não fariam quando [último líder soviético Mikhail] Gorbachev negociou a retirada da URSS do toda a Europa Oriental.

Por outro lado, o ex-líder do Pink Floyd atacou o fato de os EUA se apresentarem como um “libertador”. "Eles não têm papel como libertadores. Do que você está falando?" Mencionando Smerconish sobre o papel de Washington na Segunda Guerra Mundial, Waters lembrou que a Casa Branca se apegou a princípios "isolacionistas" até o Japão bombardear Pearl Harbor em dezembro de 1941. Além disso, ele insistiu no papel do povo soviético naquela guerra. "Não esqueça que 23 milhões de russos morreram protegendo você e eu da ameaça nazista", estimou na entrevista, transmitida neste sábado.

"Taiwan faz parte da China"

Outra questão abordada durante a entrevista foi a tensão em torno de Taiwan agravada pela visita que a presidente da Câmara dos Deputados dos Estados Unidos, Nancy Pelosi, fez à ilha nesta semana. Em resposta, Pequim lançou uma série de exercícios militares "sem precedentes" e adotou uma série de contramedidas econômicas. "[Os chineses] não estão cercando Taiwan: Taiwan é parte da China. E isso tem sido absolutamente aceito por toda a comunidade internacional desde 1948, e se você não sabe disso, você não está lendo o suficiente. Vá e leia sobre […] Você está acreditando na propaganda do seu site", disparou o famoso baixista.

Quando o entrevistador argumentou que Pequim encabeça "a lista de infratores" em direitos humanos, Waters reiterou que não se pode falar sobre Taiwan e esta área sem conhecer a história.

"Os chineses invadiram o Iraque e mataram um milhão de pessoas em 2003. A menos que eu me lembre, espere um minuto, foi a China que matou, massacrou [no Iraque]?", perguntou Waters retoricamente. O número de mortos devido à guerra no Iraque tem sido objeto de discussões.


Fonte: Agência RT

300x250_QuatroRodas.gif
728x90_PorqueArCondicionado.gif
Toda Palavra 076 - p 4-5.jpg

Leia a versão digital da edição impressa do TP