top of page

Ronnie Lessa, acusado de matar Marielle, fará delação à PF

O ex-policial Ronnie Lessa, acusado de matar a vereadora Marielle Franco e o motorista Anderson Gomes, firmou um acordo de delação com a Polícia Federal (PF). A informação foi divulgada neste domingo (21/1) pelo colunista Lauro Jardim de O Globo.

Marielle e Anderson Gomes foram assassinados a tiros pelo crime organizado em 14 de março de 2018. O caso foi federalizado em fevereiro de 2023 e o diretor-geral da PF, Andrei Rodrigues, declarou recentemente que a investigação será concluída até março deste ano.


Segundo noticiou a coluna de Lauro Jardim, a colaboração ainda não foi validada pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ). Os investigadores esperam que as informações fornecidas pelo ex-PM possam identificar os mandantes das mortes de Marielle e Anderson, que completam seis anos em 2024.


Em acordo de delação, o ex-PM Élcio Queiroz confessou ter dirigido o carro utilizado no crime e afirmou que os disparos foram feitos por Ronnie Lessa. Ele também disse que o ex-bombeiro Maxwell Simões Corrêa, conhecido como Suel, que está preso, vigiava a vereadora e pretendia participar da emboscada.


Lessa e Élcio Queiroz estão presos desde 12 de março de 2019. Os dois respondem por duplo homicídio triplamente qualificado (motivo torpe, emboscada e recurso que dificultou a defesa da vítima) e pela tentativa de homicídio contra uma assessora de Marielle, que sobreviveu.

Segundo Élcio afirmou à Polícia Federal (PF), Lessa teria dito que a motivação do crime era pessoal.


“Mas aí eu falei o que é a situação? Ele falou que era pessoal; mas tem dinheiro nisso aí, o que é? Aí ele falou não, é pessoal. Aí fomos seguindo, ele foi me orientando”, relatou Queiroz.

Comments


Divulgação venda livro darcy.png
Chamada Sons da Rússia5.jpg
bottom of page