Rover chinês é segundo a pousar em solo marciano


Simulação computadorizada do rover Zhurong pousando em solo marciano (CNSA/Divulgação)

Lançada em 23 de julho de 2020, a sonda Tianwen-1, da Administração Espacial Nacional da China (CNSA, na sigla em inglês), conseguiu pousar em Marte de forma bem sucedida, nas primeiras horas deste sábado (no horário de Pequim).

Com isso, a China se tornou a segunda nação espacial, depois dos Estados Unidos, a pousar no planeta vermelho.

A missão interplanetária foi a segunda tentativa chinesa de chegar a Marte. A primeira, apelidada de Yinghuo-1, ocorreu em 2011.

Citando fontes da CNSA, a agência de notícias estatal Xinhua confirmou que a sonda Tianwen-1 pousou com sucesso na Utopia Planitia, a maior bacia de impacto reconhecida de Marte, com um diâmetro de cerca de 3.300 quilômetros.

Após o pouso da espaçonave, o rover Zhurong deve começar a fazer imagens do local e passar por uma autoinspeção antes de se separar da sonda, de acordo com a Xinhua.

​Xinhua: a primeira missão de exploração de Marte da China, Tianwen-1, pousou em uma área de pouso pré-selecionada na parte sul da Utopia Planitia, em Marte, e deixou uma pegada chinesa. Este é um passo importante na jornada de exploração interestelar da China.

As informações sobre o evento histórico chegaram horas depois que a agência espacial chinesa anunciou a tentativa de pouso da sonda.

A espaçonave de 5.000 quilogramas consiste em um orbitador, uma câmera implantável, um módulo de pouso e o rover Zhurong.

"A sonda Tianwen-1 tem funcionado normalmente desde seu lançamento bem-sucedido em 23 de julho de 2020", disse a CNSA em um comunicado na manhã desta sexta-feira (14).

Na época, as autoridades planejavam o pouso entre os dias 15 e 19 de maio (horário de Pequim) no Utopia Planitia.


Com Sputnik

Toda Palavra_Banner_300x250_Celular.gif
1/3
NIT_728x90-03.gif
NIT_300x250-01.jpg