Ruy Castro faz conferência e autografa na Sala Carlos Couto

Niterói é palco do ciclo cultural “Modernismo(s): A Semana de 22 e o Depois”, que começou nesta sexta, 25 de março. Com curadoria de Elisa Ventura e Nélida Capela, e construída em diálogo com os perfis e vocações dos equipamentos culturais da Secretaria Municipal das Culturas (SMC) e da Fundação de Arte de Niterói (FAN), o evento debate com o público e com as gerações futuras os impactos e desdobramentos da Semana de 22. Na Sala Carlos Couto o ilustre convidado é o jornalista e escritor Ruy Castro, que fará uma conferência sobre o tema e vai autografar livros de sua autoria.

Divulgação

Para além do mês de março, a programação reaparece em sucessivas atividades ao longo do ano. Todas as ações terão entrada gratuita.


O evento


Ao relembrar o movimento, que marcou o desenvolvimento cultural do país, “Modernismo(s): A Semana de 22 e o Depois” aponta para o futuro ao celebrar a busca de uma identidade cultural brasileira e o desejo de rompimento com as influências estrangeiras. É necessário pensar os “modernismos”, devido às mudanças, repercussões, releituras, interpretações e novos movimentos.


2022 surge como um ano mágico, de reinvenções e retomadas, a partir de um conjunto de efemérides e marcos históricos que se condensam nestes tempos turbulentos que vivemos. Trata-se, como formulou o antropólogo mexicano Nestor García Canclini, de construir “estratégias para entrar e sair da modernidade”.


“Através do marco da Semana de Arte Moderna de 1922 estamos lançando uma programação sintonizada dos nossos equipamentos culturais, discutindo o século dos múltiplos modernismos no Brasil. A idéia é que a gente possa oferecer uma programação diversificada e descentralizada para toda a cidade, discutindo esse movimento que foi culturalmente muito impactante na realidade nacional. Convidamos as pessoas a participarem do evento, que tem a ampla programação com a curadoria de Elisa Ventura. Reforçamos sempre que, ao fazer a discussão do marco histórico do século de modernismos, reafirmamos Niterói entre as cidades do Brasil que possuem um lastro cultural para oferecer uma contribuição a este debate, reforçando o que o nosso prefeito Axel Grael tem colocado como meta para a secretaria: reafirmar a cultura como um direito”, comenta o Secretário das Culturas de Niterói, Leonardo Giordano.


“A relevância da Semana de 22 foi enorme, deixando marcas eternas em todos os setores da nossa cultura. Nela estiveram artistas como Villa Lobos, Tarsila do Amaral, Di Cavalcanti e Victor Brecheret. A Fundação de Arte de Niterói tem o prazer de anunciar este ciclo cultural que revê estas influências olhando para o futuro, já que comemoramos os cem anos deste tão prestigioso movimento. Niterói, sempre na vanguarda da cultura, convida a sociedade a prestigiar os eventos”, ressalta o Presidente da FAN, Marcos Sabino.


“A partir da idéia do ‘Modernismo(s): a Semana de 22 e o depois’, pensamos em uma programação que desse ao público em geral uma visão panorâmica do que foi a Semana de 22 em obras artísticas e seu contexto histórico e social. Com programação vasta e rica, será possível transmitir o movimento modernista e suas obras para as futuras gerações e promover novas reflexões”, explicou uma das curadoras, Elisa Ventura.


Serviço


Sala Carlos Couto

Rua XV de Novembro, 35 – Anexo - Centro

Data: 29/03, terça-feira

Horário: 18h


Conferência “Modernidade à beira mar: o moderno no Rio e em Niterói” com Ruy Castro. Haverá uma sessão de autógrafos com autor, que vai assinar suas obras “Metrópole à beira-mar” e “As vozes da metrópole: Uma antologia do Rio dos anos 20” (Companhia das Letras). Capacidade da sala: 60 pessoas.


Fonte: Departamento de Imprensa SMC/FAN

300x250px.gif
728x90px.gif