Segurança e apoiadores de Bolsonaro agridem equipe da Globo

Atualizado: 13 de dez. de 2021


(Reprodução)

Uma equipe de reportagem da TV Bahia, afiliada da Globo, foi agredida neste domingo (12) em Itamaraju por seguranças e por apoiadores do presidente Jair Bolsonaro (PL) durante a visita dele à região, atingida pelas chuvas no estado.

De acordo com o G1, a repórter Camila Marinho e o cinegrafista Cleriston Santana aguardavam o pouso do helicóptero do presidente no estádio municipal Juarez Barbosa. Ao descer do helicóptero, Bolsonaro seguiu em direção à lateral do campo de futebol. Quando os jornalistas da TV Bahia e da TV Aratu, afiliada do SBT, tentaram se aproximar, seguranças, que formavam uma espécie de "paredão", agiram para impedir a aproximação.

Ainda segundo o G1, um dos seguranças segurou a repórter Camila Marinho pelo pescoço, com a parte interna do antebraço, numa espécie de "mata-leão".

Além dessa agressão, um segurança tentou impedir que os jornalistas erguessem os microfones em direção a Bolsonaro. E, quando os microfones esbarraram nele, disse que os repórteres estavam batendo nas costas dele.

"Se bater de novo vou enfiar a mão na tua cara. Não bata em mim, não batam em mim", ameaçou.

Um apoiador de Bolsonaro que estava em volta puxou os microfones, e o aparelho da TV Bahia teve a espuma rasgada. A pochete da repórter Camila Marinho também foi arrancada por outro apoiador e depois recuperada por um repórter.

A assessoria de imprensa da Presidência chamou os repórteres dos dois veículos para dentro do local. Um dos integrantes da segurança pediu desculpas pelo que havia ocorrido do lado de fora.

Em nota, a TV Globo afirma que “as agressões deste domingo mostram que já passou da hora de a Procuradoria-Geral da República dar o seu parecer na ação”. Diz também que “é escandalosa a atitude da Presidência de deixar jornalistas à própria sorte, em meio a apoiadores fanáticos, que são insuflados quase diariamente pelo próprio presidente em sua retórica contra o trabalho da imprensa”.

"Politicagem barata"

Jair Bolsonaro esteve no Estado para acompanhar as condições das cidades atingidas pelas fortes chuvas que vitimou 5 pessoas e deixou 175 feridas. O presidente usou a tragédia para voltar a atacar o lockdown por conta da pandemia de covid-19 e chegou a afirmar que "o pessoal da Bahia" fechou todo o comércio e obrigou o povo a ficar dentro de casa", enquanto, segundo ele, o governo federal providenciou o auxílio emergencial.

O governador da Bahia, Rui Costa (PT), rebateu as declarações de Bolsonaro: ""Não tenho tempo para politicagem barata", reagiu Rui Costa, enfatizando que a Defesa Civil Estadual, os Bombeiros, a Secretaria de Infraestrutura e todos os outros órgãos estaduais estão trabalhando no socorro às vítimas e no apoio às comunidades afetadas, recuperando os acessos destruídos pela enxurrada.

Quase 70 mil pessoas foram afetadas pelas chuvas no sul e extremo sul da Bahia. Segundo o Corpo de Bombeiros, 3.744 estão desabrigadas por causa do temporal que atinge o estado desde a primeira semana de dezembro.

Além de Itamaraju, as cidades de Anagé, Camacan, Canavieiras, Guaratinga, Ibicuí, Itabela, Itacaré, Itamaraju, Itapetinga, Jiquiriçá, Jucuruçu, Marcionílio Souza, Mascote, Medeiros Neto, Santanópolis, Teixeira de Freitas e Vereda decretaram emergência por causa da chuva.

Toda Palavra_Banner_300x250_Celular.gif
1/3
NIT_728x90-03.gif
NIT_300x250-01.jpg