Sergio Moro joga a toalha e desiste da presidência


(Foto: Agência Brasil)

O ex-juiz e ex-ministro do governo Bolsonaro, Sergio Moro, com baixíssima aceitação nas pesquisas eleitorais, jogou a toalha e anunciou nesta quinta-feira (31) a sua desistência de concorrer à Presidência. O agora ex-presidenciável divulgou sua decisão de trocar de partido e se filiar ao União Brasil, optando por concorrer a uma vaga na Câmara dos Deputados, que lhe dará imunidade.

"Abro mão, neste momento, da pré-candidatura presidencial", disse Moro ao anunciar filiação ao seu novo partido, após apenas três meses no Podemos.

Assim, o ex-juiz da Lava Jato se filiará ao partido que uniu DEM e PSL, que formaram a base inicial do governo Bolsonaro.

De acordo com o Globo, a decisão de disputar a Câmara como deputado federal ocorreu após reunião com o deputado federal Júnior Bozzella, vice-presidente do União Brasil em São Paulo, e o grupo de Alexandre Leite, filho do presidente da Câmara Municipal, Milton Leite, e antigo presidente do DEM estadual.

Até a última terça-feira (29) Moro ainda resistia em aceitar desistir da sua candidatura em prol de outro nome de uma possível terceira via, "que tem 1% ou 2% nas pesquisas", e insistia que seguiria na disputa até o fim.

"Não posso renunciar minha candidatura para alguém que tem 1% ou 2% nas pesquisas, quando a gente tem 10%, 9%, 8% a depender das pesquisas", disse Moro, na ocasião.

Traição

“O Moro traiu o Podemos. Por que ele não aceitou ser deputado pelo nosso partido e topou pelo União? Só pode ser por dinheiro (o União tem o maior fundo eleitoral entre os partidos)”, afirmou uma liderança do Podemos, segundo a coluna de Igor Gadelha, no portal Metrópoles.

Doria desistiu de desistir

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), anunciou na tarde desta quinta-feira (31) que vai disputar a Presidência da República. Para isso, ele renunciou e transmitiu o cargo ao vice-governador Rodrigo Garcia (PSDB). “Sim. Serei candidato à Presidência da República pelo PSDB”, disse.

A confirmação da candidatura foi feita após Doria sinalizar, nesta quinta-feira (31), que poderia desistir da disputa e permanecer à frente do governo paulista. Após uma reunião com a cúpula do PSDB, ele desistiu de desistir e manteve a candidatura.

Toda Palavra_Banner_300x250_Celular.gif
1/3
NIT_728x90-03.gif
NIT_300x250-01.jpg