top of page
banners dengue balde niteroi 728x90 29 2 24.jpg

Serguei Cheremin: "Países do G20 determinam política mundial"

Na véspera da cúpula do G20, a rede de mídia internacional TV BRICS e seus parceiros — a mídia dos países do BRICS — realizaram uma série de entrevistas exclusivas com os principais especialistas do Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul. Serguei Cheremin, Ministro do Governo da Cidade de Moscou e Chefe do Departamento de Relações Econômicas Externas e Internacionais do Governo da Cidade de Moscou, contou à TV BRICS sobre o papel da Cúpula do G20.

TV BRICS

Serguei Cheremin formou-se com excelência no Instituto Estatal de Relações Internacionais de Moscou do Ministério das Relações Exteriores da Federação Russa em 1989. Ele é candidato em Ciências Econômicas. De 1991 a 2005, ocupou cargos de chefia em bancos russos. De 2005 a 2010, atuou como Presidente do Conselho de Administração do Banco de Reconstrução e Desenvolvimento de Moscou e Vice-Presidente do Conselho de Diretores da Corporação Financeira de Ações Conjuntas "Sistema", uma empresa de investimentos russa.


Desde 8 de novembro de 2010, Serguei trabalha para o governo da cidade de Moscou. Ele recebeu certificados de honra do presidente e do governo, ordens e medalhas da Federação Russa e vários prêmios estrangeiros.


Confira a entrevista


- Em 2023, os participantes da cúpula do G20 terão um programa muito repleto. Em sua opinião, quais serão os tópicos mais relevantes?


Os países do G20 não apenas continuam a desempenhar um papel muito importante na formação do comércio global, mas também determinam toda a política mundial. Atualmente, eles abrigam quase dois terços da população mundial. Eles representam quase 75% do PIB global. E, é claro, isso define, a agenda a ser discutida pelo G20. Parece-me que os principais tópicos da próxima cúpula serão sobre o fortalecimento da cooperação internacional e a expansão da atividade das empresas no campo da logística, porque hoje existem problemas bastante sérios devido à interrupção das cadeias logísticas. A segurança ambiental, as tecnologias verdes, a segurança regional e a transparência dos processos comerciais serão discutidas. Acho que o tema sobre a necessidade de expandir o uso de moedas nacionais e liquidações internacionais certamente surgirá.


- Você mencionou o tópico de liquidações em moedas nacionais. Como você sabe, a criação de uma nova moeda do BRICS está sendo amplamente discutida atualmente. Até que ponto essa questão pode ser relevante para os países membros do G20?


Essa questão é muito atual e foi abordada na cúpula do BRICS que ocorreu na África do Sul. Muitos países acreditam que a criação de uma moeda única ou de um sistema de liquidações mútuas para os países do BRICS é uma questão muito importante e urgente. Atualmente, há consultas bastante ativas entre os bancos centrais e a comunidade empresarial. E acho que nos próximos anos veremos que essa moeda será criada. Em termos de tecnologia financeira, é claro que ainda há muito a ser feito, mas esse é um pré-requisito para a expansão da cooperação econômica entre os países do BRICS.


- Como você vê a cooperação do clube do G20 em questões de mudança climática?


A agenda climática foi discutida pelo G20 no início do ano. A delegação de Moscou participou ativamente dessa cúpula. Moscou é hoje uma das líderes no uso de tecnologias verdes. Fomos a primeira grande metrópole do Leste Europeu a emitir títulos verdes. E, recentemente, os detentores de títulos receberam pagamentos e cupons. Esses fundos foram usados para desenvolver o transporte de metrô elétrico, comprar ônibus elétricos e desenvolver tecnologias verdes. O tema da mudança climática está constantemente presente em quase todas as plataformas internacionais.


Os países do G20 estavam entre os primeiros a introduzir ativamente tecnologias verdes e continuam nesse caminho. Embora muitos especialistas sejam bastante céticos em relação, por exemplo, à proibição do uso de energia nuclear. Várias outras decisões são controversas, mas acho que o futuro está na economia verde. Muitas megacidades estão tentando se tornar neutras em termos de carbono, portanto, as estratégias das maiores cidades do mundo estão definitivamente na agenda ambiental de hoje, e Moscou, creio eu, também será líder nessa área. O prefeito da capital russa já anunciou que, até 2030, planejamos ter apenas transporte elétrico na capital.


- Como se sabe, a cúpula discutirá a expansão da infraestrutura de transporte e logística. Quais são as principais vantagens desse processo para a economia mundial?


As cadeias logísticas foram interrompidas durante a pandemia. Hoje, estamos construindo ativamente novos processos tecnológicos e corredores de transporte. Por exemplo, um projeto bem conhecido no qual a Federação Russa está ativamente envolvida junto com o Azerbaijão, o Irã, a Índia e outros países é o corredor Norte-Sul, que acelerará significativamente a movimentação de mercadorias. Esse é um projeto tão conhecido quanto a Rota Marítima do Norte, que também fará ajustes nas cadeias logísticas globais. Esse é o corredor Vladivostok-Chennai e muitos outros projetos.


Acredito que esse tópico também será muito importante durante o fórum "Cinturão e Rota" em Pequim, que será realizado em outubro deste ano. Para o desenvolvimento das economias e empresas nacionais, para garantir a mobilidade, para garantir a confiabilidade dos suprimentos logísticos, essa é uma prioridade hoje. E nós também, como governo de Moscou, estamos ativamente envolvidos na discussão dessas questões.


- Em 2023, a Cúpula do G20 na Índia será realizada sob o slogan "Uma Terra, Uma Família, Um Futuro". Em sua opinião, qual é o significado que os organizadores dão a essas palavras?


Acho que foi uma decisão muito sábia e filosófica. Porque todos nós somos habitantes de um único planeta. Simplesmente temos que pensar em garantir um mundo duradouro e confiável, sem exceções ou preferências por determinados tipos de países. O mundo unipolar está fora de moda há muito tempo, portanto, os processos políticos estão se desenvolvendo rapidamente, com novas plataformas sendo formadas, como o BRICS e a OCX. Os países da União Eurasiática estão demonstrando integração de forma muito ativa.


E esses processos continuarão. Acredito que também veremos essa integração em nível inter-regional. Pelo menos, podemos sentir isso no exemplo do governo de Moscou. Um grande número de grandes megacidades e macrorregiões está tentando estabelecer relações entre si, tanto na esfera econômica quanto na esfera dos laços humanitários e culturais. É por isso que o slogan proclamado pela Índia será geopoliticamente definidor em um futuro próximo.


Os países do BRICS estão participando do mecanismo da "troika governante" do G20 (ex-presidentes, presidentes atuais e futuros). Isso possibilitará a promoção dos interesses dos países em desenvolvimento no formato do G20. O projeto especial de mídia da rede international BRICS & G20 é uma série de vídeos e entrevistas exclusivas com os principais especialistas das cúpulas do BRICS e do G20.


Fonte: TV BRICS

Chamada Sons da Rússia5.jpg
banners dengue balde niteroi 300x250 29 2 24.jpg
Divulgação venda livro darcy.png
bottom of page