Sistema usa celular para buscar crianças desaparecidas

Começou a funcionar essa semana o ‘Alerta Pri’, primeiro sistema de alerta por telefone do país para localizar crianças e adolescentes desaparecidos. Criado pelo governo do estado do Rio, por meio das Secretarias de Polícia Civil e Desenvolvimento Social e Direitos Humanos, com base na Lei nº 9.182, o mecanismo com os primeiros disparos das mensagens já está sendo enviado aos usuários.

Fia / Divulgação

A ferramenta é disparada pela Secretaria de Polícia Civil para os telefones de pessoas que se cadastrarem para receber o serviço. A mensagem de urgência enviada pelo Alerta Pri vai conter o nome, a idade, as características físicas, o local de desaparecimento e outras informações pertinentes da Delegacia de Descoberta de Paradeiros. O objetivo é agir rapidamente quando esse tipo de crime for registrado no sistema.


"Trata-se de mais um instrumento na investigação que visa a localização de crianças e adolescentes que desaparecem em todo o Estado do Rio de Janeiro. Temos o objetivo de alcançar cerca de 3 milhões de usuários do serviço de telefonia móvel. A sociedade civil pode nos ajudar neste trabalho a partir do cadastramento para que possam receber este alerta", explicou a titular da Delegacia de Descoberta de Paradeiros (DDPA), delegada Elen Souto.


De acordo com a Polícia Civil, em todo o ano de 2021, foram registrados 371 casos de pessoas desaparecidas na faixa etária entre 0 e 17 anos. Destes, 324 foram localizados.


Diálogo com as operadoras de telefonia móvel


Regulamentada pelo governador Cláudio Castro, a lei nº 9.182 torna obrigatória a divulgação de fotos e informações das vítimas pelas companhias de telefonia celular. Desde então, o governo estadual, a Alerj e as operadoras de telefonia dialogam para viabilizar a operação do sistema.


O Alerta Pri homenageia Priscila Belfort, desaparecida há 18 anos, e foi idealizado pela sua mãe, Jovita Belfort, que atualmente é superintendente de Prevenção e Enfrentamento ao Desaparecimento de Pessoas do Estado do Rio, da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos.


"Cada hora e cada dia são importantes quando estamos buscando um familiar desaparecido. A criação do Alerta Pri traz uma contribuição muito grande nessa luta, pois permite que as informações sobre os desaparecidos cheguem, rapidamente, muito mais longe. Esse é um passo muito importante no Estado do Rio. O lançamento dá esperança de um reencontro", afirmou Jovita.


O alerta foi elaborado nos moldes do Alerta Amber, dos Estados Unidos, que também é utilizado em outros 27 países e é uma das ferramentas mais eficazes no combate ao desaparecimento de pessoas. Entre 1996, ano da criação, e 2013, o programa salvou mais de 650 crianças sequestradas.


"Esse sistema vai nos permitir ter uma resposta mais rápida em casos de desaparecimentos, o que aumenta significativamente as chances de encontrar essas crianças e jovens desaparecidos", completou o secretário de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos do Rio, Matheus Quintal.


Como funciona


Toda vez que uma criança desaparecer no Estado do Rio e o registro for feito em uma distrital ou especializada, a Delegacia de Descoberta de Paradeiros (DDPA) emitirá um informe às operadoras de telefonia. Assim, o alerta será enviado para os números de celulares. Quem tiver interesse em receber o alerta terá que se cadastrar enviando um SMS para o número 55190 com o CEP de onde reside.


Fonte: Núcleo de Imprensa do Governo do Estado do Rio de Janeiro


Toda Palavra_Banner_300x250_Celular.gif
1/3
NIT_728x90-03.gif
NIT_300x250-01.jpg