'Somos racistas': Papa critica UE por favorecer refugiados ucranianos


(Foto: Vatican Media)

O sumo pontífice afirmou que a União Europeia divide os refugiados "em primeira e segunda classe", estando os ucranianos na primeira.

A política de asilo da União Europeia sofre de um duplo padrão racista, de acordo com o Papa Francisco, que deu uma entrevista ao canal RAI.

"Os refugiados são divididos em primeira e segunda classe, segundo a cor da pele, do país de que vêm, se a nação é desenvolvida ou subdesenvolvida. Somos racistas! E isso é mau", disse o sumo pontífice, citado pelo RAI na sexta-feira (15).

O Papa Francisco argumentou que isso é devido à forma como vários países aceitaram na Europa de braços abertos os refugiados ucranianos, ao mesmo tempo que são adotadas medidas para evitar a chegada de pessoas vindas de outras partes do mundo.

Escultura ao lado de bandeira hasteada das Nações Unidas junto da sede da ONU em Nova York, EUA, 17 de março de 2022 - Sputnik Brasil, 1920, 15.04.2022

Panorama internacional

Russos são 'povo perseguido' e racismo contra eles é 'incentivado' no Ocidente, diz CDH da Rússia

Ontem, 07:59

Durante a primeira semana da operação militar especial da Rússia na Ucrânia, Kiril Petkov, primeiro-ministro da Bulgária, declarou que os ucranianos "são europeus", pessoas "inteligentes e educadas", e "não são os refugiados aos que estamos habituados", em referância aos migrantes e deslocados do Oriente Médio e de África.

No início de março, Santiago Abascal, líder do partido Vox, em Espanha, disse que os ucranianos "são sim refugiados de guerra" e "devem ser acolhidos", rejeitando as "invasões" de muçulmanos. Um sentimento semelhante foi proferido por André Ventura, líder do partido Chega em Portugal, que "somos completamente contra gente que vem do Bangladesh, do Nepal, de uma série de outros países que nada têm que ver com esta guerra [...] vêm da Ucrânia, mas [...] são de outros países, não são ucranianos".

Já a Dinamarca, que tem uma política de asilo dura, incluindo a deportação de solicitantes sírios para um país fora da Europa, adotou no final de março com urgência uma legislação especial que concede aos refugiados ucranianos asilo, trabalho, reagrupamento familiar e educação.


Fonte: Agência Sputnik

Toda Palavra_Banner_300x250_Celular.gif
1/3
NIT_728x90-03.gif
NIT_300x250-01.jpg