Spray nasal de Bolsonaro vira segredo de Estado


O deputado federal Eduardo Bolsonaro e o ex-chanceler brasileiro, Ernesto Araújo, na viagem a Israel (Reprodução)

O Itamaraty admitiu que a viagem da comitiva brasileira à Israel não resultou em um acordo de aquisição do spray nasal contra a Covid-19.

A viagem, liderada pelo então ministro das Relações Exteriores Ernesto Araújo e pelo deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) como presidente da Comissão de Relações Exteriores da Câmara, também não obteve sucesso para o compartilhamento de tecnologias de combate à pandemia. As informações estão em documento enviado pelo Itamaraty à bancada do PSOL na Câmara dos Deputados, divulgado nesta sexta-feira (14).

De acordo com as informações fornecidas pelo ministério, o termo de cooperação sobre o spray nasal não foi finalizado porque o Ministério da Saúde não assinou o documento, escreve o portal Poder 360. Na carta de intenções, é possível ver que Araújo assinou o texto, assim como um representante de Israel.

"O projeto da carta não teve sua celebração completada, uma vez que não foi assinada pelo representante do Ministério da Saúde [do Brasil] e não chegou à troca de instrumentos entre os signatários, conforme prática de negociações internacionais", diz o documento, que é assinado pelo atual ministro das Relações Exteriores, Carlos França.

Os dados do Itamaraty afirmam que a viagem era planejada desde maio de 2020. Contudo, todas as informações sobre esta viagem foram colocadas sob sigilo. São 24 telegramas em sigilo por cinco anos, ou seja, até 2026; e outros quatro por 15 anos, até 2036. Não sendo possível saber, dessa forma, sequer os valores que o país gastou com a comitiva.

Os motivos para o sigilo não são informados. A classificação de nove dos 28 documentos como sigilosa, entretanto, só foi feita no dia ou depois do pedido de informações pelo PSOL, realizado em 16 de março.

A comitiva brasileira sem uso de máscara no embarque e comportada, em Israel (Reprodução)

A comitiva de dez pessoas do governo federal foi para Israel em 6 de março para negociar o compartilhamento de tecnologias de combate à pandemia e o spray nasal EXO-CD 24. A viagem ocorreu poucos dias depois de o presidente Jair Bolsonaro compartilhar mensagens em suas redes sociais exaltando a eficácia do medicamento desenvolvido pelo governo de Israel e que foi brevemente testado em pacientes que faziam tratamento contra a Covid-19 em um hospital do país. Devido a isso, o "entusiasmo" do presidente pelo spray nasal foi comparado pela mídia como sendo "a nova cloroquina de Bolsonaro".

Ao chegar no país, a equipe ficou confinada em um hotel e só pôde sair para ocasiões previamente agendadas. Em Israel, na época, havia um rígido controle de quem entrava no país, obrigando visitantes a realizar quarentena de sete dias.

Logo depois da viagem, o governo brasileiro voltou a exaltar as propriedades do spray nasal.

Toda Palavra_Banner_300x250_Celular.gif
1/3
NIT_728x90-03.gif
NIT_300x250-01.jpg