top of page

STF manda deputada Zambelli depor à PGR 'imediatamente'


Deputada federal bolsonarista Carla Zambelli (PL-SP) com arma em punho no meio da rua em SP(Reprodução)

O ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), determinou neste sábado (5) que a deputada bolsonarista Carla Zambelli (PL-SP) preste imediatamente depoimento à Procuradoria-Geral da República (PGR) sobre a perseguição armada a um homem negro em São Paulo na véspera do segundo turno das eleições.


Na ocasião, Zambelli sacou uma arma e perseguiu um homem pelas ruas do bairro dos Jardins, em São Paulo. Ela alegou ter sido empurrada, mas vídeos divulgados em redes sociais, no entanto, mostram a parlamentar tropeçando na calçada. Um inquérito policial foi aberto para investigar a deputada por porte ilegal e disparo de arma de fogo.


Gilmar Mendes enfatizou a necessidade de imprimir celeridade na investigação dos fatos. Para isso, segundo ele, é necessário o depoimento imediato de Zambelli, que poderá ser feito por videoconferência.


"Ainda que tal depoimento já tenha sido prestado em primeiro grau, a reinquirição da parlamentar pelo promotor natural do caso constitui medida útil ao regular desenvolvimento das investigações, razão pela qual deverá ser imediatamente realizada pela PGR, tendo em vista inclusive a relevância do caso e a necessidade de se imprimir um ritmo adequado a este procedimento investigativo, em observância à dimensão objetiva do princípio da razoável duração do processo", escreveu o ministro em sua decisão.


O ministro acrescentou que, se o depoimento demorar, as investigações poderão prosseguir à revelia.


Carla Zambelli deixou o Brasil na última quinta-feira (3), embarcando em direção aos Estados Unidos. Antes da viagem, ela teve as redes sociais suspensas por determinação da Justiça por incentivar atos golpistas contra o resultado das eleições.


A viagem gerou uma onda de críticas nas redes sociais, por ter sido feita de maneira sigilosa, sem a revelação do destino nas primeiras horas. Posteriormente, a deputada se manifestou, por meio de nota.


"Não divulguei a viagem aos Estados Unidos simplesmente porque não tenho onde publicar, oras! A decisão que censurou todos os meus canais de comunicação, inclusive o WhatsApp, tem como objetivo controlar o fluxo de informações e conter uma das maiores vozes conservadoras da internet com mais de 9.520.000 seguidores em sete redes sociais. Estou cumprindo agendas pessoais e aproveitarei a ocasião para estudar meios de assegurar e restaurar a liberdade de expressão no Brasil junto a autoridades americanas" disse a deputada bolsonarista.

300x250px.gif
728x90px.gif