Suécia já enfrenta aumento de mortes e protestos


Ativista sueca, pelo Twitter, agradece cobertura da imprensa nos protestos em Estocolmo (Reprodução)

Apontada como exemplo de “vida normal” pelo presidente Jair Bolsonaro por ser um dos raros países que optou por medidas brandas de enfrentamento da pandemia, o governo da Suécia já enfrenta dificuldades com o aumento oficial de mortos pelo coronavírus, que já ultrapassa 4 mil, e quase 34 mil casos confirmados de infectados pela Covid-19. Ao mesmo tempo, o país vê surgir manifestações de rua a favor de medidas de isolamento social mais duras para conter a progressão da pandemia.

A Suécia é um dos poucos países em que restaurantes e cafés estão abertos, escolas ainda funcionam em parte e a aglomeração não é reprimida. Mas essa “normalidade controlada” parece estar com os dias contados, segundo reportagem do britânico The Guardian.

A pandemia no país tem números relativamente muito superiores se comparados aos de seus vizinhos nórdicos com população maiores, mesmo que se mantenham abaixo de alguns países europeus como Espanha e Grã-Bretanha que optaram por isolamento rigoroso.

Neste domingo (24), houve protestos contra o governo na capital, Estocolmo, pedindo ações de isolamento para conter o avanço da pandemia.

300x250px.gif
728x90px.gif