top of page
banners dengue balde niteroi 728x90 29 2 24.jpg

Tropa canina é fundamental nas buscas em Petrópolis

A primeira missão nenhum militar esquece. Até mesmo se ele for um pet. Certamente este será o caso do cão Oss, do Corpo de Bombeiros Militar do Paraná, que se juntou à força-tarefa coordenada pelo Corpo de Bombeiros Militar do Rio de Janeiro no resgate às vítimas do desastre de Petrópolis. O iniciante Oss é um dos 44 cães que integram o trabalho das equipes de bombeiros de 16 estados da federação na cidade serrana. Somando à equipe do Rio, são 54 animais se revezando nas buscas.

Foto: Philippe Lima / Governo do Estado do Rio de Janeiro

O Corpo de Bombeiros do Estado do Rio de Janeiro atua em Petrópolis com uma força-tarefa que conta com equipes especializadas em busca com cães, em operações de salvamento em desastres e em resgate em estruturas colapsadas. São militares altamente capacitados, que trabalham de forma encadeada, otimizando os recursos e diminuindo o tempo-resposta.


Condutor do Oss, o cabo Rafael Souza Vaz, do Corpo de Bombeiros do Paraná, está acostumado a atuar em desastres. Ele participou do trabalho de resgate em Brumadinho (MG) junto com um outro cão. Desta vez, a responsabilidade está com Oss.


"Aqui no Caxambu é a primeira "área quente" que a equipe do Paraná foi deslocada. O trabalho do Oss está sendo satisfatório, pois ele já identificou um possível local de busca, de interesse", destacou o bombeiro. Áreas quentes são regiões com alto risco de deslizamento.

Cabo Rafael Souza Vaz e Oss / Foto: Philippe Lima / Governo do Estado do Rio de Janeiro

Os profissionais do Paraná vieram em duas equipes (terrestre e aérea) com 10 militares e quatro cães.


O tenente do Corpo de Bombeiros do Rio de Janeiro Willian Pellerano, chefe de Operações do canil do 2º Grupamento de Socorro Florestal e Meio Ambiente (2º GSFMA), em Magé, também foi destacado para atuar nas ações de resgate. Segundo ele, o apoio dos cães é fundamental nas ações.


"Os animais são treinados e são muito importantes, pois a gente consegue ampliar nossas frentes de trabalho e dar uma resposta mais rápida na localização de vítimas para que, assim, os bombeiros possam trabalhar, escavar e retirá-las", explicou.


Segundo o tenente Pellerano, que é condutor do labrador Apolo, cão e bombeiro formam uma dupla conhecida e a sinergia entre eles é fundamental para o trabalho.


"Os cães têm uma capacidade olfativa muito mais sensível que o ser humano. É 40 vezes maior. Então é através do olfato e da mudança de comportamento que o seu condutor sabe reconhecer se aquele local é uma área sensível e pode ter uma vítima", destacou.


Outra equipe que está ajudando nas buscas e resgate é a do Ceará. Com três cães, os militares chegaram na madrugada de sexta e já iniciaram o trabalho às seis da manhã, como explicou o condutor da labradora Nala, de três anos, o capitão Eliomar Alves.

Oss / Philippe Lima / Governo do Estado do Rio de Janeiro

"Os cães do Rio de Janeiro são especialistas no assunto, muito bons e com uma equipe muito qualificada. Só que pelo tamanho do desastre, sabíamos que chegaria o nosso momento de vir, pois assim como nós temos uma carga horária de trabalho, o mesmo acontece com os cães. Eles também fazem um trabalho extenuante: andar na lama e usar o faro o tempo todo é um esforço físico e mental muito grande", detalhou.


Os animais precisam de repouso de 12 horas e o reforço é fundamental para a localização das vítimas. Uma média total de 500 militares atua diariamente nas ações de resposta ao desastre climático, o pior da história do município, com acumulados de chuva que chegaram a 258,6 mm em 3 horas e 259,8 mm em 24h.


Fonte: Núcleo de Imprensa do Governo do Estado do Rio de Janeiro

Comments


Chamada Sons da Rússia5.jpg
banners dengue balde niteroi 300x250 29 2 24.jpg
Divulgação venda livro darcy.png
bottom of page