UE censura mídia russa, mas acesso pode ser feito pelo Telegram


(Foto: Sputnik/Dominic Buten)

Da Agência Russian Today (RT)

O Conselho Europeu anunciou nesta quarta-feira (2) uma decisão de proibir todas as atividades de transmissão da RT e Sputnik em sua jurisdição. Ele acusou os canais de espalharem desinformação.

A proibição permanecerá em vigor “até que a agressão à Ucrânia seja encerrada e até que a Federação Russa e seus veículos associados deixem de realizar ações de desinformação e manipulação de informações contra a UE e seus estados membros”, disse o comunicado.

Bruxelas afirmou que as duas organizações de notícias eram “essenciais e instrumentais” para “levar adiante e apoiar” a ofensiva militar russa na Ucrânia. Além disso, alegou que eles faziam parte de uma “campanha sistemática e internacional de desinformação, manipulação de informações e distorção de fatos” destinada a desestabilizar os vizinhos da Rússia e os membros da UE.

A editora-chefe adjunta da RT, Anna Belkina, condenou a decisão e disse que os críticos do veículo não “apontaram para um único exemplo, um único grão de evidência de que o que a RT relatou ao longo desses dias, e continua a relatar, não é verdade".

Durante anos, Moscou disse que as nações ocidentais estavam tentando suprimir a mídia russa por meio de várias restrições. Alguns membros da UE impuseram proibições definitivas à RT e Sputnik muito antes do início da invasão russa da Ucrânia.

Gigantes de tecnologia com sede nos EUA impuseram anteriormente suas próprias restrições contra a mídia russa. YouTube e Facebook tornaram seus conteúdos inacessíveis em suas plataformas na Europa, enquanto Apple e Google baniram seus aplicativos de suas lojas para usuários europeus. No caso da Apple, a loja oficial é a única forma de instalar apps nos dispositivos.

Ofcom, o regulador de mídia britânico, está investigando a RT depois que o governo britânico deu a entender que o canal deveria ser proibido no país.

Sputnik A assessoria de imprensa do grupo midiático Rossiya Segodnya informou hoje (2) que o Meta desconectou todos os recursos do grupo russo.

Anteriormente no mesmo dia, o grupo informou que os serviços Google Discover e Google News limitaram as apresentações dos materiais de todos os meios da agência, qualificando esse passo como "uma censura oculta e a manipulação da agenda informativa".

"À noite, o Meta desligou os aplicativos de todos os recursos de nosso grupo midiático, o que, tal como no caso da desativação dos serviços Google News e Google Discover, nós consideramos uma manifestação de censura", diz a nota.

O grupo tem uma série de meios de comunicação: no exterior funciona a agência de notícias e rádio internacionais Sputnik, na Rússia ele inclui RIA Novosty, Praim, InoSMI, Ukraina.ru, Baltnews e TOK.

"Caro visitante, tendo em vista o risco de a Sputnik Brasil sofrer bloqueios na Internet, para você não perder nosso conteúdo se inscreva em nosso canal no Telegram", informou a Agência Sputnik.

Toda Palavra_Banner_300x250_Celular.gif
1/3
NIT_728x90-03.gif
NIT_300x250-01.jpg