UFRJ apoia projetos com atuação em favelas e periferias


(Foto: Divulgação/Labic UFRJ)

Estão abertas até o dia 28 de fevereiro as inscrições para o programa Favela e Universidade 2022, promovido pela Pró-Reitoria de Extensão da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), com o objetivo de apoiar projetos de coletivos e organizações externas à UFRJ no estado do Rio de Janeiro, atuantes em áreas vulneráveis, como favelas e periferias.

A iniciativa é uma parceria com o Laboratório de Inovação Cidadã da UFRJ (Labic) e vai distribuir R$ 140 mil a 40 projetos. As inscrições podem ser feitas no endereço do laboratório. Os recursos são provenientes de emendas parlamentares, projetos de incentivo do Parque Tecnológico da UFRJ e de agências de fomento, como o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro (Faperj).

Serão selecionados projetos ou ações que estejam mais adequados à ideia de inovação cidadã, que estejam implantados no território há mais tempo, que tenham uma rede em torno deles, que sejam relevantes, que tragam impacto à comunidade, que tenham possibilidade de continuidade e tenham parcerias, informou à Agência Brasil a pró-reitora de Extensão da UFRJ, Ivana Bentes. “A nossa ideia é apoiar os projetos que já existem mas, também, a gente tem uma parte da premiação para projetos mais iniciantes que precisam de apoio e tecnologia para se desenvolver”.

Mentorias

Os projetos já desenvolvidos receberão apoio de R$ 5 mil, cada. Para os projetos em estágio inicial, será conferido aporte de R$ 2 mil, cada. Ivana Bentes disse que o recurso financeiro é importante, mas ressalta que o maior recurso que está sendo disponibilizado é em mentoria, tecnologias, em conexão com outros projetos similares, formação de rede (network), equipes. “Isso tudo hoje é recurso valioso”.

Durante cerca de quatro meses, em 15 encontros semanais, equipes de três pessoas, incluindo professores da UFRJ, lideranças comunitárias do Rio de Janeiro e do Brasil e convidados, vão ajudar a acelerar os projetos. As ações selecionadas farão parte do Laboratório de Inovação Cidadã (Labic). Podem se inscrever iniciativas voltadas para o enfrentamento à covid-19; mídias e diversidade; tecnologias, redes, dados e plataformas; ações culturais; formação livre; economia; e cidadania. “A universidade tem expertise, mas os territórios também desenvolveram logística. A gente viu isso na pandemia, os grupos criarem soluções para suas comunidades”, destacou a professora.

Os encontros são públicos e podem ser acompanhados virtualmente por quem quiser se tornar um colaborador. Essa é a quinta edição da chamada Favela e Universidade. A primeira ocorreu em 2017 e, até 2019, todas foram realizadas presencialmente. A partir de 2020, com a pandemia do novo coronavírus, elas ocorreram virtualmente. Este ano, o evento será híbrido, seguindo as recomendações de biossegurança da UFRJ. Vai começar virtualmente mas, se a pandemia acabar arrefecendo, a ideia é fazer encontros presenciais também, com algumas reuniões, inclusive, acontecendo nos próprios territórios, explicou a pró-reitora de Extensão.

Inovação Cidadã

Os Laboratórios de Inovação Cidadã são espaços de criação e experimentação de soluções para problemas e desafios da sociedade, com o envolvimento das próprias comunidades. A última edição contou com a participação de nomes como Preto Zezé, presidente da Central Única das Favelas (Cufa), e Raull Santiago, cofundador do Coletivo Papo Reto e do Perifa Connection, entre outras lideranças. O Labic UFRJ tem como referência a metodologia da Inovação Cidadã, promovida pela Secretaria Geral Iberoamericana (Segib).

Extensão

A Pró-Reitoria de Extensão é o setor da UFRJ responsável por conectar a universidade à sociedade. Com 3 mil projetos de diferentes áreas, as ações de extensão beneficiam um público de mais de 2 milhões de pessoas por ano, em todo o Brasil, com pesquisas, eventos, cursos, oficinas e capacitações.


Com a Agência Brasil

300x250px.gif
728x90px.gif