Vídeo: identificada ucraniana suspeita do assassinato de Darya Dugina


A ucraniana Natalya Vovk suspeita do assassinato da filha do filósofo russo Aleksandr Dugin (Reprodução)

O Serviço Federal de Segurança da Rússia (FSB) divulgou um vídeo da ucraniana Natalya Vovk, identificada como a principal suspeita do atentado de sábado (20) que matou a jornalista Darya Dugina em Moscou. A filmagem publicada nesta segunda-feira (22) mostra Vovk e sua filha adolescente entrando na Rússia, dentro do prédio onde Dugina morava, e deixando o país às pressas.


Dugina, de 29 anos, foi morta na noite de sábado (20) depois de participar de um festival familiar conservador perto de Moscou com seu pai, o filósofo Aleksandr Dugin.


Vovk, 43, foi nomeada pelo FSB nesta segunda-feira como a principal suspeita do assassinato de Dugina. A cidadã ucraniana chegou à Rússia em 23 de julho, usando placas da República Popular de Donetsk para evitar escrutínio. Enquanto estava em Moscou, ela trocou as placas de seu Mini Cooper pelas do Cazaquistão, uma ex-república soviética amigável. No domingo, após o bombardeio, Vovk dirigiu para a Estônia com placas ucranianas, disse o FSB.


Fotos das diferentes placas foram incluídas como parte da apresentação do vídeo.

As autoridades também disseram que Vovk pode ter usado sua filha adolescente como disfarce para se deslocar mais facilmente pela Rússia. Ela alugou um apartamento no mesmo prédio onde Dugina morava e foi capturada pela câmera da porta.


Por fim, capturas de tela de imagens de câmeras de controle de estrada são anexadas ao vídeo. Neles aparece o Mini Cooper que Vovk dirigia circulando em várias estradas da Rússia. No entanto, mesmo que seja o mesmo veículo, a placa muda dependendo da localização. Conforme relatado anteriormente, para entrar na Rússia Vovk usou um carro com placa da República Popular de Donetsk, e em Moscou ele mudou para uma placa do Cazaquistão, e para fugir do país ele usou o mesmo veículo, mas com uma placa ucraniana.


Uma foto de identificação de Vovk no uniforme da Guarda Nacional da Ucrânia foi publicada em abril na internet russa, como parte de um grupo de membros neonazistas do regimento Azov. Ele lista seu sobrenome como Shaban – o sobrenome que sua filha usou ao entrar na Rússia, de acordo com o FSB. A Ucrânia afirmou anteriormente que não estava envolvida no assassinato.


As suspeitas são de que os serviços secretos ucranianos estão por trás do assassinato da filha do filósofo russo Alexander Dugin.


O crime

De acordo com testemunhas da explosão, que ocorreu às 21h45, hora local, uma forte deflagração sacudiu o veículo que Dúguina conduzia, embora pertencesse ao pai, no meio da estrada, espalhando escombros por toda a área. O carro ainda colidiu com uma cerca antes de ser completamente consumido pelas chamas, de acordo com vídeos e fotos do local.


Posteriormente, o Comitê de Investigação da Rússia informou que um artefato explosivo com 400 gramas de TNT foi colocado na parte inferior do carro, do lado do motorista, e que Dúguina, que estava ao volante, morreu no local.


Foi determinado que o explosivo foi detonado remotamente. De acordo com uma fonte policial, é possível que os criminosos estivessem seguindo o carro e controlando seus movimentos.


Dugin culpa 'regime nazista ucraniano'

Alexander Dugin falou dois dias após o assassinato, afirmando que "os inimigos da Rússia" mataram sua filha "vilmente" e "às escondidas" e culpou o 'regime nazista ucraniano' pela morte de Darya.


“Como todos sabem, em um ato terrorista do regime nazista ucraniano, minha filha Darya foi brutalmente assassinada diante dos meus olhos em 20 de agosto, enquanto voltava do festival 'Tradição' perto de Moscou”, disse Dugin em comunicado divulgado por seu aliado, o magnata conservador Konstantin Malofeyev.


Darya era “uma linda garota ortodoxa, patriota, correspondente militar, especialista em TV e filósofa. Seus discursos e reportagens sempre foram profundos, fundamentados e contidos. Ela nunca pediu violência ou guerra. Ela era uma estrela em ascensão no início de sua jornada”, escreveu Dugin. “ Os inimigos da Rússia mataram aqui desonrosamente, às escondidas.”


Segundo Dugin, tais atos de terrorismo querem quebrar a vontade do povo russo, visando os melhores e mais vulneráveis ​​entre eles, e afirmou que os terroristas não terão sucesso. Desejar uma simples vingança ou retribuição seria “muito mesquinho e anti-russo”, acrescentou.


“Em vez disso, precisamos da vitória. Então vença, por favor!”, concluiu o filósofo.


Com a RT



300x250_QuatroRodas.gif
728x90_PorqueArCondicionado.gif
Toda Palavra 076 - p 4-5.jpg

Leia a versão digital da edição impressa do TP