Venda de remédios sem eficácia contra Covid dispara



Bolsonaro fez propaganda de hidroxicloroquina, ineficaz contra a Covid-19, segundo a Anvisa e outros (Reprodução)

Remédios associados ao suposto "tratamento precoce" contra a Covid-19 – que não têm, de fato, nenhuma eficácia científica comprovada – tiveram um estouro nas vendas nas farmácias e drogarias no último ano.

O maior aumento foi o da ivermectina: de 8,1 milhões de doses vendidas em 2019, o remédio saltou para 53,8 milhões de vendas em 2020 – um salto de 557%. O remédio é um antiparasitário, indicado apenas para combater vermes, ácaros e parasitas, em casos como os de sarna e elefantíase.

Os dados foram publicados pelo G1 nesta quinta-feira (4), em levantamento obtido junto ao Conselho Federal de Farmácia.

A hidroxicloroquina, que ficou famosa por receber o incentivo do presidente Jair Bolsonaro e sua indicação para "tratamento precoce" teria sido um dos principais motivos da troca de dois ministros da Saúde, teve um aumento de 113% nas vendas (de 936 mil unidades vendidas em 2019, saltou para pouco mais de dois milhões em 2020). Sem qualquer comprovação de eficácia contra a Covid-19, a hidroxicloroquina é usada, entre outros casos, no tratamento da artrite reumatoide e da malária. Por determinação de Bolsonaro, o Exército produziu em 2020, sem demanda, mais hidroxicloroquina que em 10 anos.

Outros três remédios associados ao tratamento da Covid-19 também tiveram aumento nas vendas: a nitazoxanida (salto de 10%), a vitamina C (59%) e a vitamina D (81%). A nitazoxanida, apesar de estar sendo testada no combate à Covid-19, não tem qualquer eficácia comprovada. Ela é utilizada, entre outros casos, contra infecções virais causadas por rotavírus e norovírus (como são as gastroenterites) e contra parasitas como lombriga, solitária e oxiúros. O mesmo vale para as vitaminas: apesar de benéficas para o organismo, não há qualquer estudo que comprove sua eficácia contra o novo coronavírus.

O Conselho Federal de Medicina (CFM) diz que não endossa o uso destes remédios, mas defende a autonomia dos médicos de prescreverem o tratamento que acharem mais adequado. Apesar da ausência de comprovação científica, 34,7% dos médicos brasileiros ainda acreditam que a cloroquina é eficaz contra a Covid-19. O mesmo levantamento, realizado pela Associação Médica Brasileira, mostra ainda que 41,4% dos médicos do Brasil confiam na ivermectina contra o coronavírus.

Já a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) afirma que o remédio não tem comprovação científica de eficácia contra a Covid, assim como orienta a agência de saúde norte-americana, a FDA, e a Organização Mundial da Saúde (OMS).

 Conheça a nova Scooter Elétrica

Não precisa de CNH, sem placa e sem IPVA

Leia também:

Editor Responsável: Luiz Augusto Erthal.

Redação e Comercial: Rua Santa Clara, 32, Ponta d'Areia, Niterói, RJ

CEP 24040-050 | (21) 2618-2972 | jornaltodapalavra@gmail.com

Os conceitos emitidos nas matérias assinadas são de inteira responsabilidade de seus autores e não refletem necessariamente a opinião do jornal. As colaborações, eventuais ou regulares, são feitas em caráter voluntário e aceitas pelo jornal sem qualquer compromisso trabalhista. © 2016 Mídia Express Comunicação.

A equipe

Editor Executivo: Luiz Augusto Erthal. Editor Rio: Vanderlei Borges. Editor Niterói: José Messias Xavier. Editores Assistentes: Apio Gomes e Osvaldo Maneschy. Editor de Arte: Augusto Erthal. Financeiro: Márcia Queiroz Erthal. Circulação, Divulgação e logística: Ernesto Guadalupe.

Uma publicação de Mídia Express 
Comunicação e Comércio Ltda.
Rua Santa Clara, 32, Ponta d’Areia, Niterói, Est. do Rio,

Cep 24040-050. 
Tel.: (21) 2618-297

jornaltodapalavra@gmail.com

  • contact_email_red-128
  • Facebook - White Circle
  • Twitter - White Circle