Vinícius Rodrigues é prata por um centésimo a mais


Por apenas um centésimo de diferença o brasileiro não conquistou o ouro (Foto:Rogério Capela/CPB)

Em uma corrida de recuperação, o velocista Vinícius Rodrigues conquistou na manhã desta segunda-feira (30) a medalha de prata na corrida dos 100 metros T63 (amputados de membros inferiores), com o tempo de 12s05. Por apenas um centésimo de diferença o brasileiro não conquistou o ouro, que ficou com Anton Prokhorov, do Comitê Paralímpico Russo (CPR), com a marca de 12s04. Teria sido a 100ª medalha de ouro do Brasil na história dos Jogos Paralímpicos. O terceiro lugar ficou com o alemão Leon Schafer (12s55).

Se a largada de Vinícius Rodrigues tivesse sido um pouco melhor, ele certamente teria conseguido tirar a diferença de um centésimo que o separou da medalha de ouro. Mas o brasileiro conseguiu se recuperar ainda nos primeiros metros, arrancando de um quarto lugar para o segundo, em final eletrizante.

Recordista mundial dos 100m da classe T63, com o tempo de 11s95, Vinícius Rodrigues era considerado favorito para a prova, uma vez que lidera o ranking da categoria. Em 2019, ele foi bronze no Mundial de Dubai.

Natural de Maringá (PR), Vinícius Rodrigues teve uma perna amputada em decorrência de um acidente de moto que teve aos 19 anos. A motivação pelo atletismo veio após a visita que recebeu, quando ainda internado, da velocista Terezinha Guilhermina, também é medalhista paralímpica.

A segunda medalha de prata do Brasil na manhã desta segunda-feira, 30, veio no arremesso de peso. Alessandro Silva, da classe F11 (para cegos), terminou em segundo lugar ao fazer 13,89m, sua melhor marca na atual temporada. O ouro ficou com o iraniano Mahdi Oladi, com 14,43m. O italiano Oney Tapia (13,60m) completou o pódio.

Alessandro tem entre as suas principais conquistas o ouro no lançamento de disco e o bronze no arremesso de peso, no Mundial de Dubai, em 2019, o ouro no lançamento de peso e no lançamento de disco nos Jogos Parapan-Americanos Lima 2019, o ouro no lançamento de disco no Mundial Londres 2017, o ouro no lançamento de disco nos Jogos Paralímpicos Rio 2016. Na próxima quinta-feira, dia 3, ele disputa o lançamento de disco, sua prova preferida.

A catarinense Bruna Alexandre, de 26 anos, também conquistou a medalha de prata no tênis de mesa (classe 10). Na manhã desta segunda-feira, 30, a atleta foi superada pela chinesa naturalizada australiana Qian Yang, por 3 sets a 1 (parciais 11/13, 11/6, 7/11 e 9/11 ). Vale ressaltar que o tênis de mesa já havia garantido um pódio ao país em Tóquio: a paulista Cátia Oliveira ficou com o bronze na categoria 1-2.

"Tentei o máximo possível. Gostaria de agradecer a todas mensagens que recebi nas redes sociais e à comissão técnica que trabalha comigo. Vou trabalhar forte para os Jogos Paris 2024 e tentar a medalha de ouro na França", disse Bruna, logo após a partida.

Toda Palavra_Banner_300x250_Celular.gif
1/3
NIT_728x90-03.gif
NIT_300x250-01.jpg