Editor Responsável: Luiz Augusto Erthal.

Redação e Comercial: Rua Santa Clara, 32, Ponta d'Areia, Niterói, RJ

CEP 24040-050 | (21) 2618-2972 | jornaltodapalavra@gmail.com

Os conceitos emitidos nas matérias assinadas são de inteira responsabilidade de seus autores e não refletem necessariamente a opinião do jornal. As colaborações, eventuais ou regulares, são feitas em caráter voluntário e aceitas pelo jornal sem qualquer compromisso trabalhista. © 2016 Mídia Express Comunicação.

A equipe

Editor Executivo: Luiz Augusto Erthal. Editor Rio: Vanderlei Borges. Editor Niterói: José Messias Xavier. Editores Assistentes: Apio Gomes e Osvaldo Maneschy. Editor de Arte: Augusto Erthal. Financeiro: Márcia Queiroz Erthal. Circulação, Divulgação e logística: Ernesto Guadalupe.

Uma publicação de Mídia Express 
Comunicação e Comércio Ltda.
Rua Santa Clara, 32, Ponta d’Areia, Niterói, Est. do Rio,

Cep 24040-050. 
Tel.: (21) 2618-297

jornaltodapalavra@gmail.com

  • contact_email_red-128
  • Facebook - White Circle
  • Twitter - White Circle

Demitido por querer salvar vidas

June 20, 2017

 Apenas um ano depois de ter sido inaugurado, em 2013, conforme prometido por Rodrigo Neves durante a campanha para o seu primeiro mandato como prefeito de Niterói, o mergulhão da Rua Marquês de Paraná já apresentava sinais de deterioração. A secretária de Conservação, Deyse Monassa, foi informada em 2014, através de laudo técnico do responsável pela conservação da via, sobre o avançado estado de oxidação das estacas-prancha que formam as paredes do túnel, mas, ao invés de buscar soluções para o problema, demitiu o funcionário, diante de sua insistência em pedir providências.
A informação foi dada com exclusividade ao TODA PALAVRA pelo engenheiro Marcelo Angelo Zani, punido com a demissão, segundo ele, por relatar as deficiências estruturais da obra e cobrar uma solução de seus superiores. Na época Zani era técnico em edificações e ocupava um cargo comissionado de assessor A, símbolo CC1, da Secretaria Municipal de Urbanismo e Mobilidade. Atuava em várias obras da prefeitura e tinha a tarefa rotineira de realizar mensalmente a manutenção do mergulhão.
- Todo final de mês eu acionava a NitTrans para fazer a interdição da via para que pudesse entrar com minha equipe. Fazíamos a limpeza, a manutenção dos ralos, usávamos concreto de secagem rápida como paliativo para eventuais fissuras no piso etc. Constatei, então, que a oxidação das estacas estava aumentando a cada mês, devido à proximidade do lençol freático – lembra o ex-assessor.
Marcelo Zani disse que procurou o subsecretário Valdir Araújo, que o orientou a encaminhar um laudo sobre o problema, através dele, para a secretária Deyse Monassa, a fim de serem tomadas providências emergenciais.
- Enviei email com o laudo para o subsecretário e o mesmo o reenviou para a secretária, conforme a hierarquia. Fui ameaçado de demissão e, devido à minha insistência em preservar vidas e informar à Emusa, fiscalizadora da obra, sobre o ocorrido, fui demitido – afirmou Zani, cuja exoneração foi publicada no Diário Oficial do Município no dia 21 de março de 2015, mas com validade a contar de 1º de março daquele ano.

 

Leia a matéria completa.

 

Carteira do Crea e foto de Marcelo Zani, quando comandava a turma de manutenção do Mergulhão

Please reload

Leia também:
Please reload