Áudios revelam descaso do Renave com segurança dos trabalhadores

Mensagens de áudio trocadas por funcionários do Estaleiro Renave e outros trabalhadores do setor naval, que preferem não ser identificados, confirmam que o dique flutuante que afundou na manhã desta segunda-feira (26/7) provocando a morte de dois operários, era mantido pela empresa em condições precárias, sem a manutenção periódica adequada, oferecendo riscos à segurança.

Reprodução

O montador Nilo de Paula, de 68 anos, e o encarregado de docagem, José Henrique da Silva, de 45 anos morreram afogados, presos no interior da estrutura. Os corpos foram resgatados por equipes dos bombeiros. A perícia trabalhou à tarde no local para identificar as causas do acidente.


O jornal TODA PALAVRA obteve os áudios em primeira mão. As mensagens foram trocadas pouco depois do ocorrido, quando ainda não se sabia quantos operários estavam trabalhando no dique.


"Eu avisei. Vai afundar", diz um dos operários, revoltado com a morte dos colegas de trabalho.


Em outra gravação, o interlocutor faz duras críticas à falta de segurança a que são expostos os trabalhadores do Estaleiro Renave.


"Aquilo é uma cabeça de porco danada. Infelizmente a galera precisa trabahar e tem que encarar aquilo lá. Não oferece segurança nenhuma".


Confira os áudios:






















































300X350px_Negra.gif