Castello Branco negou publicidade pedida pelo Planalto


(Foto: Sindipetro-SP)

O aumento no preço dos combustíveis teria sido apenas o pretexto para a demissão do presidente da Petrobras, anunciada pelo presidente Jair Bolsonaro na noite da última sexta-feira (19). Segundo o jornalista Merval Pereira, do Globo, Roberto Castello Branco já vinha enfrentando problemas no relacionamento com o Palácio do Planalto e o motivo real teria sido a recusa a um pedido do governo para colocar R$ 100 milhões em publicidade na Record, do bispo Macedo, e SBT, de Silvio Santos.

Ainda segundo o jornalista, em outra ocasião, Castello Branco foi instado pelo governo a participar de um grupo de empresas que compraria vacinas para serem distribuídas entre empresas privadas, e discordou da participação. O esquema não deu certo porque várias empresas, como a Petrobras, consideraram que seria inadequado financiar vacinação privada enquanto a vacinação pública se arrasta devido à falta de doses suficientes.

A denúncia ocorre em meio a uma crise instalada na administração da maior empresa brasileira após a intervenção de Bolsonaro, sob pretexto de reduzir o preço dos combustíveis. Na quinta-feira (18), Bolsonaro surpreendeu o mercado dizendo que "alguma coisa vai acontecer na Petrobras nos próximos dias, vai acontecer". Com isso, após um dia inteiro de especulações, a empresa perdeu R$ 28,2 bilhões em valor de mercado. Na sexta-feira, à noite, veio a demissão e o anúncio da nomeação de um general - Joaquim Silva e Luna - para ocupar o cargo.

Apesar da intervenção, o presidente voltou a negar na manhã desta segunda-feira (22) que tenha intenção de mudar a política de preços adotada pela empresa desde que Pedro Parente foi nomeado presidente da estatal por Michel Temer após o golpe do impeachment contra a presidente Dilma Rousseff.

Também nesta segunda-feira, o mercado reagiu à intervenção de Jair Bolsonaro com o dólar indo a mais de R$ 5,50, fechando a R$ 5,45, e queda no Ibovespa, principal índice do mercado de ações nacional. As ações da Petrobras despencaram logo na abertura do pregão e fecharam em menos 20,48%.

Segundo levantamento da Economatica, com o tombo nas cotações, a Petrobras perdeu em poucas horas nesta segunda-feira mais R$ 75 bilhões em valor de mercado.

300X350px_Negra.gif
1/3
NIT_728x90-03.gif
NIT_300x250-01.jpg
728X90px (2).gif