top of page

Niterói ainda sem luz em vários pontos da cidade

O prazo determinado pelo Tribunal de Justiça do Rio para a Enel restabelecer o fornecimento de energia elétrica em Niterói, expirou às 21h desta segunda-feira (20/11), mas muitas famílias, estabelecimentos comerciais e equipamentos públicos, como o Terminal Rodoviário João Goulart, ainda permanecem sem luz na manhã desta terça (21/11). Cerca de 31 mil consumidores continuam sem energia no município. O prefeito de Niterói, Axel Grael, esteve reunido na noite de ontem com a diretoria da Enel para cobrar providências para o restabelecimento emergencial de energia elétrica nos locais afetados em Niterói.

Foto: SUTEN - Superintendência de Terminais e Estacionamentos de Niterói / Divulgação

A Prefeitura de Niterói acionou a Enel na Justiça ainda na tarde de ontem e cobrou uma logística para que a empresa restabeleça o mais rápido possível o fornecimento de energia em toda a cidade.


Os representantes da Enel pediram 48h para atender 100% das 31 mil unidades que estão sem energia e se comprometeram a apresentar um plano operacional detalhado nesta terça-feira (21/11). Porém, o prefeito não aceitou o prazo de 48h, cobrou que o serviço seja restabelecido imediatamente e ofereceu apoio logístico da Prefeitura para agilizar o trabalho.


O chefe do Executivo cobrou ainda uma posição da concessionária em relação aos prejuízos que moradores e comerciantes estão tendo, como a perda de alimentos, por exemplo. Axel afirmou também que vai comunicar os fatos à Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel).


Às 8h desta terça (21/11), a Enel informou que 97% dos clientes já tinham sido atendidos, mas não detalhou as áreas ainda sem energia. Um dos bairros que permanece sem luz é o Fonseca. Comerciantes relatam prejuízos diários de R$ 15 mil por causa do apagão.


Durante o dia de ontem (segunda), os protestos contra a Enel, que se iniciaram no domingo, prosseguiram em diferentes pontos da cidade. Manifestantes fecharam ruas e estradas e atearam fogo em objetos, provocando engarrafamentos e impedindo o acesso a vias importantes, como a Ponte Rio-Niterói (leia a matéria completa).


A Polícia Militar teve que intervir para liberar o trânsito e dispersar os manifestantes, em alguns casos com o uso de balas de borracha.

Manifestação contra a falta de energia em Pendotiba / Divulgação

Além de Niterói, São Gonçalo, Maricá, Itaboraí e Petrópolis registraram interrupção no fornecimento de energia. Protestos também ocorreram nessas cidades, com relatos de falta de luz desde o temporal do último sábado.


Em muitos locais o problema não foi solucionado até o momento. Segundo informou o g1, mais de 100 mil famílias de Niterói e São Gonçalo ainda estavam sem luz até a manhã desta terça (21/11).


Terminal João Goulart às escuras


Desde a noite de sábado (18/11), o maior terminal rodoviário da América Latina, por onde passam diariamente cerca de meio milhão de pessoas, está sem energia e com várias lojas fechadas. Segundo a Teroni, empresa que administra o terminal, as equipes estão usando um gerador a diesel para garantir iluminação no escritório da administração e em algumas áreas comuns, como plataformas, banheiros e lojas menores.


Em nota, a Teroni citou prejuízos e pediu às autoridades que cobre da Enel providências urgentes.


"Estamos ainda sem elevador e as grandes lojas — que têm medidores próprios e contas da Enel — ainda estão sem luz, causando grande prejuízo aos comerciantes. Confiamos nas autoridades a cobrança de providências urgentes pela empresa Enel, responsável pela energia de Niterói, São Gonçalo e região".


Resposta da Enel


Na manhã desta terça-feira (21/11), a Enel se manifestou através de uma nota:


“A Enel Distribuição Rio informa que 97% dos clientes afetados pela intensa tempestade registrada na noite de sábado (18/11) tiveram o serviço normalizado, nos 66 municípios atendidos pela distribuidora. O evento climático, com chuva, rajadas de vento e descargas atmosféricas, causou danos severos à rede elétrica de várias cidades fluminenses, interrompendo o fornecimento de energia. Neste momento, as cidades mais afetadas são Niterói, São Gonçalo, Petrópolis e Maricá.


Dando sequência ao plano verão preparado para este período crítico, foi acionado imediatamente um reforço no número de equipes em campo para agilizar o atendimento às emergências. A Enel segue trabalhando para recuperar todos os clientes o mais rápido possível.”


Como pedir ressarcimento


Em relação a possíveis danos a aparelhos elétricos, a Enel informou que segue o que determina a Resolução 1.000/2021 da Aneel. O cliente pode realizar sua solicitação via aplicativo da Enel Rio, site da Enel, contato com a central de relacionamento (0800 28 00 120) ou comparecer em uma loja da Enel.


É possível ingressar com a solicitação no prazo máximo de até 5 anos a contar da data provável da ocorrência do dano elétrico no equipamento. Para dar entrada no pedido de ressarcimento, é necessário atender aos seguintes requisitos:


- ser o titular da unidade consumidora onde houve a ocorrência;

- informar a data e o horário provável da ocorrência do dano;

- relatar o problema apresentado;

- descrever as características gerais do equipamento danificado, tais como: marca, modelo, ano de fabricação etc.








Kommentare


Divulgação venda livro darcy.png
Chamada Sons da Rússia5.jpg
bottom of page